Google permite que sites com desinformação sobre a Covid-19 ganhem dinheiro, diz pesquisa

Redação Portal IMPRENSA | 07/08/2020 10:21
Uma pesquisa da Universidade de Oxford expôs como os sites com desinformação sobre a Covid-19 são capazes de usar o mecanismo de pesquisa e a plataforma de publicidade do Google para alcançar "viabilidade financeira e sucesso".

O estudo do Oxford Internet Institute constatou que alguns dos sites têm o mesmo nível de classificação em relação às agências de notícias tradicionais.

Segundo a pesquisa, mais de 60% dos maiores sites de desinformação pesquisados usam o Google Ads para gerar dinheiro com informações falsas. As páginas analisadas falham em pelo menos três dos cinco critérios: profissionalismo, estilo, credibilidade, preconceito e falsificação.

Crédito:Internet


Sites russos
A equipe de pesquisadores identificou o RT.com, de propriedade estatal russa, como o site de notícias falsas com a mais alta "autoridade" nos mecanismos de busca.

Sua pontuação de autoridade de domínio, que determina a probabilidade de uma classificação de pesquisa de um site, foi calculada em 82 em 100.

Isso coloca o ranking da RT (anteriormente conhecido como Russia Today) em pé de igualdade com operações de notícias confiáveis como La Repubblica da Itália, Le Figaro da França e Welt na Alemanha.

Os sites de notícias falsas ou com desinformação foram sputniknews.com , alternet.org , breitbart.com e zerohedge.com.

"O ecossistema de notícias indesejadas e desinformação em torno do Covid-19 é ativado por mecanismos de pesquisa e plataformas de publicidade que contribuem para sua visibilidade e receita financeira", concluiu o relatório.

Desta forma, a receita de publicidade é uma importante fonte de receita para os meios de comunicação, tanto para notícias profissionais quanto para domínios de notícias falsas e desinformação.

Muitos dos sites da amostra foram sinalizados por pesquisadores e checadores por conterem teorias da conspiração e falsidades, inclusive em relação ao Covid-19. No entanto, esses sites continuam gerando receita com publicidade.

“Grandes plataformas de publicidade, incluindo Google e Amazon, contribuem, portanto, para a viabilidade financeira e o sucesso de editores de notícias falsas e com desinformação em torno do Covid-19”, analisa a pesquisa. 

Críticas ao Google
Vários relatórios do Índice de Desinformação Global também criticaram o Google por permitir que seus serviços de publicidade sejam usados por sites controversos.

Um porta-voz do Google afirmou que a plataforma possui políticas estritas de editores projetadas para impedir a monetização de conteúdo prejudicial, perigoso e fraudulento.

“Estamos profundamente comprometidos em elevar o conteúdo de qualidade em todos os produtos do Google e isso inclui a proteção das pessoas contra informações médicas erradas. Anunciamos recentemente salvaguardas adicionais para proibir o conteúdo de uma crise de saúde que contradiz a monetização do consenso científico. Sempre que encontramos editores que violam nossas políticas, tomamos medidas imediatas".