Covid-19 aumenta desigualdades entre homens e mulheres jornalistas, constata pesquisa do IFJ

Redação Portal Imprensa | 30/07/2020 11:16

Salário, conciliação da vida privada com a profissional, promoção, responsabilidades... Esses foram alguns dos aspectos em que a desigualdade de gênero aumentou devido a Covid-19 para mulheres jornalistas ouvidas em uma pesquisa da Federação Internacional de Jornalistas (IFJ).

Crédito:Pexels


Das 558 profissionais ouvidas, 55,60% reconheceram que a pandemia provocou mais desigualdades de gênero no setor. O levantamento sobre “Os efeitos da Covid-19 em mulheres jornalistas” foi realizado entre 19 e 30 de junho.


A principal consequência citada por elas foi na conciliação do trabalho com a vida privada, apontada por 62% das entrevistadas, seguida das responsabilidades no trabalho (46%) e salários (27%).


Com o resultado em mãos, a IFJ, maior organização mundial de jornalistas profissionais, e seu Conselho de Gênero pedem às organizações de mídia e sindicatos que façam da igualdade de gênero uma prioridade em suas respostas à pandemia e exijam medidas concretas para proporcionar às jornalistas condições de trabalho adequadas.


Veja mais resultados:


Nível de estresse: mais de 75% das entrevistadas sentiram aumento, metade delas apontando várias tarefas como a causa principal;


Saúde: mais da metade disse que sua saúde foi afetada, o que resultou em quase 75% de casos de problemas de sono;


Equipamento de proteção: apenas 4 em cada 10 mulheres jornalistas afirmaram ter recebido de seus empregadores;


Sindicatos: mais da metade das entrevistadas afirmam que os sindicatos não desenvolveram estratégias específicas para combater as desigualdades de gênero durante a pandemia;


Teletrabalho: 60% disseram que sua empresa havia definido algum tipo de protocolo;


Assédio: mais de 75% das entrevistadas disseram que o nível de assédio (incluindo on-line) e bullying não aumentou durante a crise;


Local de trabalho: 1/3 das entrevistadas afirmou que trabalhava “principalmente em casa” e 1/3 trabalhava principalmente no escritório. 15% trabalhavam principalmente em campo;


Medo de perder emprego e conciliação com tarefas domésticas


As entrevistadas listaram diversas razões como causas do estresse, incluindo trabalho isolado, intimidação de chefes, cuidados familiares e educação em casa, tensões domésticas, aumento da carga de trabalho e os prazos apertados habituais, longas horas de trabalho, impacto psicológico da cobertura da Covid e medo de perda de emprego.


Uma jornalista da Indonésia disse: “Receio perder o trabalho. Algumas mídias fecharam ou cortaram seus colaboradores e diminuíram seus salários de nível médio-alto. Receio que meu escritório também feche. Também estou estressada com a conexão com a internet e a excessiva atenção na frente do laptop o dia todo e a noite”.


“Em todos os casais heterossexuais, sei que a mulher suportou o peso da situação”, disse uma jornalista da Espanha. “As mulheres estão trabalhando em casa, fazendo malabarismos com as crianças e educando as crianças ao lado de seu trabalho. Algumas tiveram horas reduzidas para lidar com isso, outras tiveram que arriscar a saúde de seus pais vulneráveis por cuidar dos filhos, em vez de o pai assumir metade dessas tarefas".


Os entrevistados fizeram recomendações concretas para melhorar os protocolos de teletrabalho, como a necessidade de os empregadores fornecerem equipamento de trabalho adequado, incluindo internet banda larga adequada, definir horários e intervalos de trabalho e entender a realidade de trabalhar em casa enquanto cuidam de crianças.


No geral, a maioria das entrevistadas concordou que as melhores estratégias para alcançar um novo normal de gênero eram de natureza econômica: mais financiamento, melhores salários, mais oportunidades de progressão na carreira.


“A luta pela igualdade de gênero deve ser encarada como uma prioridade. O equilíbrio entre o horário privado e o horário de trabalho deve ser claramente indicado. A igualdade salarial deve ser considerada o novo 'normal'”, disse uma fotógrafa da Suíça.


Sindicatos e empresas precisam agir, diz IFJ


Maria Angeles Samperio, presidente do Conselho de Gênero do IFJ, cobrou ações dos sindicatos e das empresas. "A mídia e os sindicatos devem fazer muito mais para combater as desigualdades de gênero e levar em conta a conciliação do trabalho e da vida privada nesses tempos turbulentos. Eles devem ouvir os apelos de mulheres que foram profundamente afetadas por durante a Covid-19 e responda a elas. É hora de estabelecer políticas adequadas de teletrabalho, garantir apoio às mulheres como carreiras familiares e oferecer trabalho decente e remuneração igual".


O secretário-geral do IFJ, Anthony Bellanger, disse: “Apelamos às nossas afiliadas para colocarem a igualdade de gênero no topo de sua agenda e refletir sobre a melhor forma de apoiar suas afiliadas. Esse apoio inclui fornecer dados sobre mulheres na profissão, integrar gênero em todas as atividades, oferecer treinamento, colocar mulheres em papéis de liderança nas estruturas dos sindicatos, estabelecer comitês de mulheres e políticas de gênero e negociar melhores acordos para mulheres”.


Foram ouvidas jornalistas dos seguintes países: Argentina, Austrália, Áustria, Bahrain, Bósnia e Herzegovina, Brasil, Camarões, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Croácia, Chipre, República Tcheca, Equador, El Salvador, Finlândia, França, Gâmbia, Alemanha, Grécia, Guatemala, Guiné, Honduras, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Irlanda, Itália, México, Mianmar, Namíbia, Paquistão, Palestina, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, Rússia, Eslovênia , Somália, Espanha, Sri Lanka, Suíça, Tunísia, Emirados Árabes Unidos, Uganda, Reino Unido, Uruguai, Estados Unidos.


Veja a pesquisa completa.


Leia também:


Jornalista é demitida de afiliada da Globo após denunciar diretor por assédio

Jornalista do NY Times pede demissão alegando ofensas de colegas por defender posições conservadoras