Curso online pretende aumentar a resiliência cibernética de jornalistas

Kassia Nobre | 26/06/2020 10:37
O Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS) e as Redes Cordiais promovem o curso online e gratuito “Da rede social à rede de apoio: ciber-resiliência para jornalistas”. 

A iniciativa tem o objetivo de capacitar o repórter com as novas competências exigidas pelo digital. 

“Isso engloba desde novas ferramentas úteis para o exercício da profissão, passando por novas rotinas de segurança até o reestabelecimento do equilíbrio emocional em um mundo conectado”, explica Clara Becker, jornalista cofundadora do Redes Cordiais. 
 
O projeto tem o apoio do Facebook Journalism Project e atuará em três frentes. São elas: cursos ao vivo e online; manual de boas práticas para redações e rede de apoio para jornalistas. 

“A ideia é que os cursos online capacitem principalmente repórteres e moderadores de redes. Eles devem servir também como espaço de troca, já que haverá tempo previsto para o esclarecimento de dúvidas e comentários dos participantes. Teremos aulas ao vivo e também tutoriais com especialistas renomados das respectivas áreas abordando cada um desses tópicos. Contaremos, por exemplo, com Fabro Steibel, diretor-executivo do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio, para ensinar medidas de higiene digital e com a psicanalista Vera Iaconelli para falar sobre os impactos da profissão na saúde mental e quando a busca de ajuda profissional se faz necessária”, complementa Clara.

Crédito:Divulgação Redes Cordiais

Já o manual de boas práticas será voltado para que editores e diretores possam proteger suas equipes e implementar uma cultura de segurança nas redações. 

“Nele vamos compilar cases com as melhores práticas ao redor do mundo e protocolos de ação em caso de assédio e ameaças online”. 
 
Becker explica que a formação de um grupo de apoio surgiu de uma pesquisa da Reuters na qual a falta de solidariedade dos colegas foi a principal queixa de jornalistas que já sofreram assédio online. 

“Também fizemos um grupo focal com jornalistas vítimas de assédio e a necessidade de uma rede de apoio surgiu como uma demanda. Convidaremos os participantes do curso a se juntar a grupos de WhatsApp voltados para entrar em ação sempre que alguém sofrer algum ataque. A ideia é que as pessoas se voluntariem para ler os comentários, documentar provas e ajudar no que mais for necessário”. 
 
Primeiro curso 
O primeiro curso, Mídias sociais e jornalismo: reduzindo riscos e engajando a audiência, começará no dia 14/07. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas aqui
 
 “No primeiro curso queremos que o jornalista saia preparado para aproveitar as novas oportunidades que a as mídias sociais apresentam, mas que também consiga mitigar os danos que a exposição na internet pode vir a causar. Para isso, temos aulas sobre como engajar a audiência e criar comunidades, até noções básicas de direito em caso de judicialização do assédio”, finaliza.