Manifestações no Brasil acabam em confusão e jornalistas feridos

Redação Portal IMPRENSA | 01/06/2020 12:50
As manifestações do último domingo (31) resultaram em conflitos e jornalistas feridos.

Segundo a Ponte Jornalismo, o repórter da Agência EFE, Fernando Bezerra, ficou ferido durante a manifestação pró-democracia, organizada por membros de torcidas de clubes paulistas. 

No início do protesto na Avenida Paulista, houve desentendimento entre os manifestantes e um grupo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Em seguida, houve a repressão da Polícia Militar, que acompanhava a manifestação.

Além do repórter, o palmeirense Gabriel Santoro foi atingido com tiro de bala de borracha no peito e sofreu ferimentos no cotovelo e na canela. 

Crédito:Pedro Ribeiro Nogueira - Ponte Jornalismo
 
Governador se manifestou 
Pelo Twitter, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que “A Polícia Militar de São Paulo agiu hoje para manter a integridade física dos manifestantes, na Avenida Paulista. Dos dois lados. A presença da PM evitou o confronto e as prováveis vítimas deste embate. Todos têm direito de se manifestar, mas ninguém tem direito de agredir”. 

O conflito durou mais de duas horas com bombas de gás lacrimogêneo, bombas e balas de borracha, além de pedras e garrafas.

Segundo a Polícia Militar, cinco pessoas foram detidas e conduzidas ao 78º DP (Jardins). 

Protestos no Rio de Janeiro

Segundo o Portal Metrópole, o jornalista da Globosat e líder do Diáspora, movimento de funcionários negros do Grupo Globo, Marcos Luca Valentim, foi ferido em uma manifestação em Laranjeiras, na zona Sul do Rio. 

Marcos participava do protesto “Vidas negras importam” sobre a morte do menino negro João Pedro, no último dia 19.

Ainda no Rio de Janeiro, manifestantes pró e contra o presidente Jair Bolsonaro também entraram em conflito, na Praia de Copacabana, no domingo. O ato terminou com uma intervenção da Polícia Militar, que usou bombas de gás e spray de pimenta. 

Segundo o Portal G1, os manifestantes contra o presidente carregavam bandeiras de clubes, como uma escrita "Democracia Rubro-negra". Já o grupo favorável a Jair Bolsonaro exibia bandeiras do Brasil e levava faixas de protesto contra o Supremo Tribunal Federal.

Duas pessoas foram conduzidas para a 12ª DP, onde a ocorrência foi registrada.



Leia também
Jornalistas Patrícia Campos Mello e Vera Magalhães são homenageadas no Troféu Mulher IMPRENSA
A questão militar e o paradoxo da farda com a toga