Perdão de filhos de jornalista saudita pode livrar assassinos da morte

Redação Portal IMPRENSA | 22/05/2020 14:47
Os filhos do jornalista saudita Jamal Khashoggi disseram que perdoam os assassinos do seu pai em uma mensagem que pode permitir que os acusados não sejam mortos. Cinco dos 11 acusados pelo crime foram condenados a morte em um julgamento em dezembro.
Crédito: EFE/Ali Haider


“Nesta noite abençoada deste mês abençoado (do Ramadã), nós lembramos Deus dizendo: Se uma pessoa perdoa e se reconcilia, sua recompensa está com Allah. Portanto, nós, os filhos do mártir Jamal Kashoggi, anunciamos que perdoamos aqueles que mataram o nosso pai, buscando a recompensa de Deus”, escreveu no Twitter Salah Khashoggi, um dos filhos de Jamal. 

Segundo as leis islâmicas, sentenças de morte na Arábia Saudita podem ser suspensas se a família da vítima perdoar os assassinos. 

Jamal colaborava para o The Washington Post e era crítico ao príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. 

O jornalista foi visto pela última vez entrando no consulado saudita em Istambul, no dia 2 de outubro de 2018. Ele teria ido regularizar seus documentos para poder se casar nos Estados Unidos, onde vivia e trabalhava, mas nunca deixou o local. 

Ele foi estrangulado no local e seu corpo, esquartejado. Seus restos mortais nunca foram encontrados.

Após o perdão dos filhos, a noiva de Jamal disse que ninguém tem o direito de perdoar assassinos. 

"A armadilha que lhe armaram e a forma hedionda como o assassinaram não têm prazo de prescrição e ninguém tem o direito de perdoar aos assassinos. Não vamos parar até que seja feita justiça a Jamal", escreveu Hatice Cengiz no Twitter.

Leia também: