Câmeras de segurança devem ser usadas para identificar autor de ameaça contra jornalistas

Redação Portal IMPRENSA | 15/05/2020 11:19
A Polícia Civil de Minas Gerais deve usar as imagens de câmeras de monitoramento próximas ao Hospital das Clínicas da UFMG, em Belo Horizonte, para identificar os autores das pichações com ameaças contra jornalistas. A polícia também pede para quem tiver informações sobre o caso que entre em contato através do 181.
Crédito: Reprodução


Frases como “Mate um jornalista por dia”, “Jornalista bom é morto” e “Colabore com a limpeza do Brasil, mate um jornalista, um artista, comunista por dia” foram pichadas nesta quinta-feira (14/05) em um tapume ao lado do hospital, no bairro Santa Efigênia.

O Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais registrou um boletim de ocorrência para que as imagens gravadas por uma câmera de segurança de um estabelecimento comercial próximo ao local possam ser requisitadas pela Justiça. 

“Falei com a gerente da loja, que disse que as imagens ficarão guardadas por dez dias, porém, o jurídico só libera se tiver uma requisição da Justiça”, disse a presidente do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, Alessandra Mello. 

 As ameaças foram cobertas com cartazes que buscam valorizar os profissionais da imprensa, com os dizeres: “jornalista bom é jornalista que incomoda”, “viva o jornalista”, “jornalista bom é jornalista vivo”, “sou jornalista e não me calo” e “respeita os jornalistas!”
Crédito: Reprodução/sindicato


Leia também:
Ferramenta da RSF permite acompanhar ataques à imprensa impulsionados pela covid-19 em diferentes países
Relatório da FENAJ aponta a institucionalização da violência contra a imprensa como prática de governo em 2019