Trump abandona coletiva após mandar repórter perguntar à China sobre covid-19

Redação Portal IMPRENSA | 13/05/2020 11:11
O presidente Donald Trump abandonou abruptamente a coletiva de imprensa, na Casa Branca, depois de sugerir que uma repórter perguntasse à China sobre a realização de testes à covid-19 nos Estados Unidos.
Crédito:Reprodução CNN
Nascida na China, a repórter da CBS Weijia Jiang emigrou para os Estados Unidos com os seus pais aos 2 anos de idade. Ela questionou Trump sobre a sua insistência em salientar o número de testes realizados no país.

“[O senhor] Diz muitas vezes que os Estados Unidos estão fazendo um trabalho muito melhor do que qualquer outro país no que diz respeito aos testes”, questionou. 

“Se as pessoas querem fazer o teste, elas são testadas. Temos a maior capacidade do mundo”,  respondeu Trump. 

A repórter, então, questionou: “Por que isso importa?”

“Porque essa competição é global. Americanos estão perdendo a vida e ainda estamos vendo mais casos todos os dias. Bem, estão perdendo suas vidas em todo o mundo. E talvez essa seja uma pergunta que você deva fazer à China”, respondeu. 

Em seguida, Trump apontou para a jornalista que estava atrás, a correspondente da CNN Kaitlan Collins, mas a repórter da CBS reagiu: “Por que me fez essa pergunta a mim, especificamente, sobre a China?”

Ao perceber que a correspondente da CNN permitiria que Weijia fizesse uma segunda pergunta, Trump passou à jornalista seguinte, Yamiche Alcindor, do canal público PBS. Ela  também quis esperar que a sua colega fizesse a pergunta. 

Trump, então, encerrou a entrevista e abandonou os jardins da Casa Branca.

Weijia Jiang agradeceu ao apoio de suas colegas pelo Twitter. 

“Kaitlancollins me permitiu fazer uma pergunta de acompanhamento depois que o presidente a chamou e, em seguida, Yamiche passou para Kaitlin. Tenho a sorte de trabalhar ao lado delas”, escreveu. 

Leia também:
“A imprensa livre nunca foi tão necessária quanto nesta pandemia”, diz Michelle Bachelet, da ONU

"É similar ao que aconteceu no 11 de setembro", diz Guga Chacra sobre papel da imprensa na pandemia