Coletiva de governador de NY é usada em campanha de desinformação anti-isolamento

Redação Portal IMPRENSA | 08/05/2020 11:26
Extraído de coletiva de imprensa realizada na quarta (6), um trecho da fala do  governador democrata de Nova York, Andrew Cuomo, acabou se transformando em ferramenta de desinformação por quem contesta o isolamento social como estratégia para minimizar os malefícios da pandemia. 

Compartilhado por políticos aliados do governo Bolsonaro, como Roberto Jefferson e Osmar Terra, e assunto da live do presidente desta quinta (7), o trecho em questão mostra Cuomo  apresentando uma pesquisa com dados que ele mesmo classifica como “surpreendentes”: no estado de Nova York, 66% dos hospitalizados por covid-19 teriam vindo de “casa”.
Crédito: Reprodução Poder 360

Rapidamente militantes de direita viram na estatística um argumento favorável à ideia de que, no combate à covid-19, criou-se um "modelo errado e todos saíram copiando" sem se ater ao "bom senso", conforme tuitou Luciando Hang, da rede Havan, ao também repercutir a fala do governador de Nova York.   

Porém, a pesquisa citada por Cuomo não diz que o isolamento social é um modelo errado. Ao contrário, ela traz dados mostrando que, sem ele, o desastre seria muito maior. E que a questão não é apenas ficar em casa, mas sim em que tipo de casa.

Além de maior proporção de hospitalizados por covid-19 entre negros, latinos e imigrantes, os dados mostram que a contaminação é maior nos distritos e bairros mais pobres de Nova York, onde as condições de moradia são piores e a prática de isolamento social eficaz é mais difícil.

Além disso, a pesquisa não teria dito que as pessoas contraíram o vírus em casa, e sim classificado o local de onde os pacientes vieram antes de chegar aos hospitais. 

Assim, os outros possíveis locais de origem dos hospitalizados por covid-9 no estado de Nova York seriam asilos, prisões, ruas e abrigos. 

O deslize de Cuomo repercutiu modestamente na imprensa americana. Mas Bolsonaro publicou o trecho da entrevista como prova irrefutável de que o distanciamento social não adianta nada e que as pessoas se contaminam mesmo estando em casa. Mensagens de igual teor vêm sendo disseminadas em suas redes e nas de seus apoiadores.

Embora reconheça que as pessoas precisam voltar a se ver e a economia reabrir, nas coletivas de imprensa diárias sobre as ações de sua gestão de combate à pandemia, o governador de Nova York continua se mostrando amplamente favorável ao isolamento social, ao uso de máscaras e a todas as medidas necessárias para achatar a curva de avanço do vírus.