Enquanto se nega a remunerar veículos por uso de conteúdo, Google anuncia fundo emergencial para a imprensa

Redação Portal IMPRENSA | 15/04/2020 12:41
Ao mesmo tempo que mobiliza seu poderoso exército de advogados a fim de não remunerar veículos de imprensa e agências de notícia pelo uso de seus conteúdos, o Google anunciou nesta quarta (15), numa espécie de estratégia "morde e assopra", a criação de um fundo emergencial de auxílio ao jornalismo em função da crise do novo coronavírus.

A ideia é oferecer dinheiro a "milhares de pequenos e médios veículos de todo o mundo, bem como a empresas que cobrem o noticiário local", disse em nota Richard Gingras, vice-presidente de notícias da gigante digital.

Desde o início da pandemia, veículos de imprensa e agências de notícias foram duramente atingidos pelo declínio em suas receitas publicitárias, a despeito de ter havido em muitos casos forte aumento dos índices de audiência.
Crédito: Reprodução TV Folha
Richard Gingras, vice-presidente de notícias do Google

Sem revelar a quantia que injetará nas empresas jornalísticas, o Google considera que os veículos com cobertura regional e local são os mais ameaçados pela crise econômica decorrente da pandemia.

Ainda de acordo com Gingras, o financiamento vai variar de "alguns milhares de dólares" a "dezenas de milhares para organizações de maior porte".

"Temos a responsabilidade de fazer o que estiver ao nosso alcance para aliviar a pressão financeira imposta às redações", complementou Gingras, acrescentando que veículos de imprensa de qualquer lugar do mundo podem se candidatar ao auxílio.

O prazo para preencher o formulário de inscrição se encerra em 30 de abril.