Autoridade francesa ordena que Google pague por conteúdo jornalístico

Redação Portal IMPRENSA | 09/04/2020 10:36
A longa luta para que o Google remunere veículos de imprensa e agências de notícia pelo uso de seus conteúdos teve uma nova batalha nesta quinta (9), aparentemente vitoriosa para o lado do jornalismo profissional. 

Reportagem da AFP informa que, com base em mecanismo judicial europeu criado para garantir o pagamento de conteúdo digital, o principal órgão regulador da concorrência na França "ordenou" que o Google negocie "de boa fé" com as empresas jornalísticas do país uma taxa pelo uso de seus conteúdos. 

Ainda de acordo com a AFP, foi imposto pela Autoridade de Concorrência francesa um período de três meses para a gigante digital "estabelecer negociações" que devem reverter em "proposta de remuneração".
A ideia é que o pagamento seja retroativo a 24 de outubro de 2019, quando entrou em vigor a lei sobre remuneração de conteúdo digital na Europa.

Longa disputa
Nos últimos tempos têm sido realizados esforços em várias direções para que empresas jornalísticas recebam do Google uma parte do lucro obtido com seu conteúdo. No início de 2019, a AFP lembra que uma diretiva europeia criou a figura jurídica dos direitos relacionados, que são semelhantes aos direitos autorais, e permitiriam que jornais e agências de notícias negociem uma remuneração com as gigantes digitais.

Porém, o Google tem reiteradamente rejeitado qualquer negociação e, com as mudanças legais na  Europa, impôs novas regras para portais de notícias, que devem concordar com o uso gratuito de trechos de seu conteúdo nos resultados das buscas.

Numa espécie de retaliação aos sites e portais que não concordarem, o Google faz com que suas informações sejam menos visíveis nas buscas, derrubando o tráfego em suas páginas.

Em contrapartida, vários grupos de imprensa entraram com uma ação contrária a essa regra, enquanto outros se viram forçados a aceitar as condições do Google. Com se vê, a guerra estão longe de um desfecho final.