Governo chinês aumenta censura sobre meios de comunicação na cobertura do coronavírus

Redação Portal IMPRENSA | 14/02/2020 11:29
Após o desaparecimento de dois cidadãos chineses que transmitiam no YouTube vídeos sobre a epidemia de coronavírus, mostrando vários corpos e situação caótica nos hospitais da cidade de Wuhan, epicentro do problema, a imprensa internacional segue noticiando indicativos do recrudescimento da censura chinesa aos veículos de comunicação que cobrem o caso. 

Segundo reportagem da Reuters, na semana passada os censores do governo chinês fecharam grupos de conversas online e apagaram posts em redes sociais. As autoridades também repreenderam empresas de tecnologia que não controlaram o discurso nas redes.

Analista do Instituto de Políticas Estratégicas da Austrália (ASPI) e especialista em mídias sociais chinesas, Fergus Ryan disse à Reuters que cerca de 300 jornalistas foram enviados a Wuhan e arredores para relatar o surto. 
Caos nos hospitais de Wuhan: a típica imagem que o governo chinês não quer ver na internet

"É muito provável que a orientação deles seja mostrar uma imagem mais positiva dos esforços do governo, em vez de se envolver em reportagens investigativas ou críticas", analisa.

A censura chinesa não atinge apenas profissionais de comunicação. O médico Li Wenliang foi repreendido por emitir um alerta sobre o coronavírus e acabou morrendo da doença, fato que provocou indignação no país.

Os meios de comunicação chineses tiveram permissão para relatar a morte de Li, mas não as repercussões que ela provocou. Os posts nas mídias sociais pedindo que o governo de Wuhan pedisse desculpas ao médico sumiram.

Um alerta enviado aos editores de um canal de notícias chinês, ao qual a Reuters teve acesso, pedia que eles não "comentassem ou especulassem" sobre a morte de Li, não usassem hashtags e deixassem o tópico desaparecer da lista de assuntos mais pesquisados.

Matérias investigativas publicadas por meios de comunicação locais de Wuhan também vêm sendo excluídas.

Leia também
Jornalista chinês que fez reportagens sobre coronavírus está desaparecido
Cinco são presos na Malásia por espalhar fake news sobre o coronavírus