Nova onda de ataques à jornalista Patricia Campos Mello é "abominável", diz CIDH

Redação Portal IMPRENSA | 12/02/2020 09:24
Ocorrido nesta terça (11), o depoimento à CPMI das Fake News de Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário da agência de disparos de mensagens em massa Yacows, causou uma nova onda de ataques à jornalista Patricia Campos Melo, da Folha de São Paulo.  

Nascimento trabalhou para a Yacows durante a campanha eleitoral de 2018. Em dezembro daquele ano, reportagem da Folha indicou que diferentes empresas, incluindo a Yacows, fizeram uso fraudulento de nome e CPF de idosos para disparar mensagens em massa para políticos via WhatsApp.

Durante a apuração, Patricia falou várias vezes com Nascimento. No começo, ele disse que não sabia quais campanhas se valeram da fraude, mas mostrou-se solícito e respondeu às perguntas da repórter. 
Crédito: Reprodução Twitter
Relator especial para liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) condenou "abominável" ataque de Eduardo Bolsonaro a Patricia Campos Mello

Porém, alguns dias depois de a Folha procurar a Yacows para solicitar esclarecimentos sobre o caso, Nascimento pediu que a repórter retirasse da matéria tudo o que havia falado.

Convocado pelo deputado Rui Falcão (PT-SP), o depoente sugeriu à CPMI das Fake News que a jornalista estava disposta a fazer sexo com ele em troca de informações para a reportagem.

"Quando eu cheguei na Folha de S.Paulo, quando ela [repórter] escutou a negativa, o distrato que eu dei e deixei claro que não fazia parte do meu interesse, a pessoa querer um determinado tipo de matéria a troco de sexo, que não era a minha intenção, que a minha intenção era ser ouvido a respeito do meu livro, entendeu?", disse Nascimento no Congresso. 

A CPMI é formada por deputados e senadores e investiga a disseminação de notícias falsas na eleição de 2018.

Nas redes sociais e no Congresso, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou a fala de Hans para atacar a repórter da Folha, incitando seus apoiadores (reais e robôs) a fazer o mesmo. 

"Eu não duvido que a senhora Patrícia Campos Mello, jornalista da Folha, possa ter se insinuado sexualmente, como disse o senhor Hans, em troca de informações para tentar prejudicar a campanha do presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, é o que a Dilma Rousseff falava: fazer o diabo pelo poder", disse Eduardo.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) emitiu nota repudiando as declarações do deputado, que repercutiram para "milhões de seguidores alegações difamatórias". 

"É assustador que um agente público use seu canal de comunicação para atacar jornalistas cujas reportagens trazem informações que o desagradam, sobretudo apelando ao machismo e à misoginia. Além disso, esta é mais uma ocasião em que integrantes da família Bolsonaro, em lugar de oferecer explicações à sociedade, tentam desacreditar o trabalho da imprensa", frisou a entidade.

Edison Lanza, relator especial para liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), também repudiou o posicionamento de Eduardo Bolsonaro no caso. 

"Condeno a abominável desqualificação do deputado @BolsonaroSP à jornalista 

@camposmello com base em estereótipos de gênero, para minar sua excelente investigação sobre injeção de "notícias falsas" na campanha #Brasil. Não reproduzirei o ataque", tuitou Lanza.