CPI das Fake News convoca influenciadores antivacina

Redação Portal IMPRENSA | 05/02/2020 17:31
Em sua primeira reunião do ano, a Comissão Parlamentar de Inquérito das Fake News aprovou a convocação de pessoas ligadas ao movimento antivacinação. Os depoimentos ainda não têm data marcada e os convocados não podem se recusar a comparecer.
Crédito:Reprodução


Foram convocados o terapeuta holístico Jaime Bruning, autor de um canal no YouTube, e a empresária Mayara Cristina Modesti, dona da empresa de produtos naturais Tudo Saudável. Eles são acusados de disseminar informações falsas sobre a eficácia e os efeitos de vacinas.

A CPI Mista também convidou a Sociedade Brasileira de Imunizações para debater o tema.

“A vacinação é uma medida de saúde imprescindível para que possamos controlar as epidemias que acontecem por contágio. Precisamos enfrentar as fake news e atingir nossa meta de 90% de crianças vacinadas, que é preconizada pela Organização Mundial da Saúde”, disse o vice-presidente da comissão, deputado Ricardo Barros (PP-PR), que foi ministro da Saúde entre 2016 e 2018.

No total, a CPI aprovou 21 requerimentos, entre eles para que Google, Facebook e Twitter identifiquem os responsáveis por ataques virtuais contra desafetos do atual governo.

Na próxima audiência, na terça-feira (12/02), a comissão receberá Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário da empresa de marketing digital Yacows, que é uma das apontadas por operar campanhas de mensagens direcionadas durante as eleições de 2018.

Leia também: 
Twitter suspende portal financeiro por publicar fake news do coronavírus
Facebook vai remover fake news e teorias da conspiração sobre coronavírus