ABI se posiciona na questão da Casa de Rui Barbosa

Redação Portal IMPRENSA | 14/01/2020 13:25
Em nota publicada no dia 10 de janeiro, a Associação Brasileira de IMPRENSA (ABI) reforça a acusação de desmonte na Fundação Casa de Rui Barbosa e ressalta que “exterminar o núcleo duro do Centro de Informação e Memória da Casa de Rui Barbosa equivale a descarnar um trabalho sério da cultura brasileira”. O texto valoriza as iniciativas da instituição, dentre as quais os seminários sobre imprensa e culturas urbanas, o mestrado profissionalizante, e o centro de refugiados, além do estabelecimento de um elo acadêmico com universidades brasileiras e estrangeiras.

O texto da ABI ainda destaca a carta encaminhada pelos pesquisadores exonerados à atual presidente da Fundação, Letícia Dornelles. Trecho da carta reforça que as exonerações dão uma sinalização negativa quanto à manutenção do Centro de Pesquisa da Casa de Rui Barbosa. “Elas deixam transparecer uma intenção de esvaziamento daquilo que constitui uma valiosa singularidade desta Fundação: a associação entre estudo, pesquisa, e guarda de acervos da cultura e da história do Brasil”.

As medidas também tiveram repercussão negativa em universidades e centro de estudos norte-americanos. Na noite de domingo (12), foi encaminhada à presidente da Fundação uma Carta Aberta com 150 assinaturas de especialistas em estudos brasileiros - conhecidos como brasilianistas - reivindicando a suspensão da medida por ela adotada. Além dos brasilianistas, de academias norte-americanas, como Harvard, Yale, Princeton, Columbia, New York University, Georgetown, Stanford e Berkeley, integraram a iniciativa 20 acadêmicos latino-americanos.
Crédito:Reprodução / site da ABI

“Queremos expressar nossa profunda preocupação com a tentativa de desmantelamento do Centro de Pesquisa da Fundação Casa de Rui Barbosa por meio da exoneração de seu diretor e dos chefes dos setores de pesquisa”, destaca o texto da Carta Aberta, que ressalta a  reputação internacional da Fundação de excelência em pesquisa e reflexão.

Os brasilianistas temem que “essa medida [de exoneração] reflita a falta de apoio ao importante trabalho realizado pela instituição sob a liderança dos chefes das unidades de pesquisa que foram arbitrariamente afastados de suas posições”. Como explicou o professor James N. Green, da Brown University (EUA), à Associação Brasileira de IMPRENSA (ABI), as adesões à Carta Aberta foram feitas virtualmente, com e-mail de cada um dos intelectuais autorizando a inclusão de seus nomes nesse manifesto.
Crédito:Reprodução / Twitter

Em post no Twitter, a presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa ressalta que “não há desmonte”. Letícia Dornelles é jornalista, apresentadora de TV, roteirista e escritora, e acumula uma carreira de mais de 30 anos dedicada à cultura, mas sua nomeação pelo governo Bolsonaro gerou críticas entre pesquisadores e funcionários da instituição.

Na tarde desta segunda-feira (13), uma centena de pessoas protestou em frente à Fundação Casa de Rui Barbosa, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. O protesto, marcado desde a semana passada, se intensificou quando encontraram os portões da instituição fechados.
Crédito:Reprodução / Twitter

Em post na manhã do dia 13, a presidente da Fundação destacou um grave problema estrutural no terreno da instituição, ainda não solucionado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro. O que causou estranhamento aos manifestantes é que não houve uma justificava formal para o fechamento, e todas as atividades da instituição previstas para o dia foram canceladas sem aviso prévio. Procurada, por meio da assessoria de imprensa, a presidente comunicou que não iria se pronunciar.
Crédito:Reprodução / GloboNews


Segundo destaca nota de O Globo, Antônio Herculano, ex-diretor de geral do Centro de Pesquisas da Casa Rui Barbosa, leu um manifesto, no qual os funcionários voltaram a repudiar as exonerações e fizeram denúncias contra a presidente Letícia Dornelles, criticando sua censura a comentários nas redes sociais da instituição, e o uso inadequado das mesmas. A carta afirmava que “é perceptível que em diversos momentos as postagens servem para sua autopromoção, com uma abundância de selfies, o que caracteriza uso de recurso público para benefício pessoal e contraria preceitos constitucionais”. Herculano adianta que a Associação dos Servidores da Fundação Casa de Rui Barbosa irá convocar uma assembleia para definir os próximos passos.

Leia também