Edição 2020 do relatório anual do Instituto Reuters aponta tendências

Redação Portal IMPRENSA | 13/01/2020 15:45
O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo destaca, em seu relatório anual, algumas tendências, que incluem assinaturas, podcasts e inteligência artificial. 

A edição 2020 do Journalism, Media, and Technology Trends and Predictions, feita com base em uma pesquisa realizada com 230 CEOs, editores e líderes digitais de 32 países, destaca que muitos executivos da indústria de mídia (73%) estão confiantes nas perspectivas para suas companhias, mas incertos sobre o futuro do jornalismo. Entre suas principais preocupações estão a queda na produção de notícias locais, o receio relacionado à queda da confiança na mídia e os ataques ao jornalismo feitos por políticos.
Crédito:Reprodução / Instituto Reuters


A maioria dos entrevistados (85%) acha que a mídia deveria fazer mais para chamar atenção para as mentiras e meia-verdades, mas alguns se preocupam que isso não seja suficiente, já que cada vez mais políticos ao redor do mundo adotam a postura de Donald Trump com relação à mídia, minando a mídia tradicional e usando as mídias sociais para enviar mensagens aos seus apoiadores. 

Considerando o financiamento, os publishers continuam apostando fortemente na receita vinda dos leitores, com 50% considerando esta a principal fonte de receita. E 35% apostam num equilíbrio entre esta receita e a proveniente dos anúncios.
Crédito:Reprodução / Instituto Reuters


Já sobre as formas de distribuição das notícias, 53% consideram apostar em podcasts, seja no formato de notícias diárias, entrevistas, ou séries.Outros citam os textos em áudio como uma maneira de capitalizar a crescente popularidade dos formatos em áudio. 

E com relação à diversidade nas redações, os entrevistados dizem que tomaram grandes passos neste sentido, com 76% afirmando que “fizeram um bom trabalho” quanto à diversidade de gênero. No entanto, os números caem quando se considera a diversidade geográfica (55%), política (48%) e racial (33%). 
Crédito:Reprodução / Instituto Reuters

Os publishers têm planos de dar um passo adiante no uso da inteligência artificial como uma maneira de distribuir o conteúdo de forma mais efetiva. O foco será em criar recomendações mais efetivas (53% consideram muito importante), seguido pelo uso da IA para atingir assinantes potenciais e otimizar os paywalls (47%), além dos recursos que auxiliam as redações na produção de notícias. 

Acesse o relatório neste link.  

Leia também