Pelo Twitter, o Porta dos Fundos convida os internautas a dizerem não à censura do especial

Redação Portal IMPRENSA | 10/01/2020 14:38
O Porta dos Fundos e a Netflix se pronunciaram nesta quinta-feira (9) pelo Twitter sobre a determinação da Justiça do Rio de Janeiro de retirar do ar o especial "A Primeira Tentação de Cristo". A decisão foi do desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Poder Judiciário do Estado, que acatou o pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura.

Em post, a Netflix Brasil reforça que apoia fortemente a expressão artística e vai lutar em defesa desse importante princípio, que define como “o coração de grandes histórias”.

A Netflix, que veicula o especial do Porta dos Fundos, também acionou o Supremo Tribunal Federal contra a decisão do desembargador alegando, segundo destaca nota da Folha, que esta decisão desrespeitou julgamentos anteriores do tribunal ao impor “restrições inconstitucionais à liberdade de expressão, de criação e de desenvolvimento artístico”.

O pedido de liminar foi analisado pelo presidente do STF, o ministro Dias Toffoli, que suspendeu na noite desta quinta-feira (9) a decisão de censura ao Especial de Natal do Porta dos Fundos. O ministro lembra que o plenário do STF já se debruçou sobre o tema da liberdade de expressão, e reforça a importância da “plenitude do exercício da liberdade de expressão... como meio de reafirmação/potencialização de outras liberdades constitucionais".
Crédito:Reprodução / Twitter

Pelo Twitter, o Porta dos Fundos convida os internautas a dizerem não à censura do especial de Natal, lembrando que seu trabalho é fazer humor e, a partir disso, entreter e estimular reflexões. “O Porta dos Fundos é contra qualquer ato de censura, violência, ilegalidade, autoritarismo e tudo aquilo que não esperávamos mais ter de repudiar em pleno 2020", destaca o post.  

Ainda reforçam que contam com o Poder Judiciário para manter a defesa histórica da Constituição brasileira. “Seguimos com a certeza que as instituições democráticas serão preservadas”, finaliza o post. 

Leia também