Bolsonaro atenta contra princípios da moralidade e impessoalidade, diz advogada da FSP

Redação Portal IMPRENSA | 28/11/2019 16:46
Bolsonaro confirmou ameaça feita em recente entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, e excluiu o jornal Folha de S.Paulo da lista de periódicos que serão assinados digitalmente por seu governo. 
Crédito:Pedro Ladeira/Folha Press
Taís Gasparian, advogada da Folha, afirmou que o governo federal age contra os princípios da moralidade e impessoalidade que devem nortear a administração pública. "Com a atitude, agride toda a imprensa brasileira, e não apenas a Folha."

Publicado nesta quinta, 28, no Diário Oficial da União, o edital que excluiu a Folha dos veículos assinados digitalmente pelo governo federal contempla a assinatura de 24 jornais e dez revistas. Títulos estrangeiros como New York Times e Le Monde fazem parte da lista.  O investimento total do governo em assinaturas digitais de veículos jornalísticos é de R$ 194 mil (R$ 131 mil para jornais e R$ 63 mil para revistas).

A entrevista de Bolsonaro a Datena foi dada em 31 de outubro, quando o presidente falou sobre a ordem para que todo o governo federal rescindisse e cancelasse as assinaturas da Folha de S.Paulo. "Está determinado", disse Bolsonaro. 

Entidades da imprensa e sociedade civil se manifestaram contra a intenção anunciada por Bolsonaro, alegando que ela atenta contra a liberdade de expressão e os princípios que regem a administração pública. 

Analistas acreditam que a perseguição do presidente ao jornal possa se tornar um estímulo para o surgimento de novos assinantes da Folha, num movimento em condenação à censura e de fortalecimento da  imprensa.



Leia também: