Dois jornalistas são assassinados em Honduras em menos de uma semana

Redação Portal IMPRENSA | 27/11/2019 11:37
José Arita, apresentador do programa A Hora da Verdade, do Canal Puerto Vision, foi assassinado logo após deixar a emissora, no dia 25 de novembro, em Puerto Cortés. Ele foi interceptado por quatro desconhecidos, que atiraram várias vezes contra ele. 

Crédito:Fundamedios
Arita morreu no local e nem chegou a ser socorrido. O porta-voz da segurança, Jair Meza Barahona, disse que o assassinato pode estar relacionado ao trabalho de Arita.

Ele foi o segundo jornalista morto em menos de uma semana em Honduras. No dia 21 de novembro, a jornalista Johana Alvarado, que trabalhou por 15 dias na área de esportes do canal 45, em Catacamas foi assassinada. 

Seu corpo foi encontrado, no dia 21, com um ferimento na cabeça, próximo às instalações do Ministério Público. 
Crédito:Fundamedios


Segundo o presidente do Colégio de Jornalistas de Honduras (CPH), Dagoberto Rodríguez, Arita seria o oitavo jornalista morto em 2019. Outras organizações hondurenhas dizem que é o sétimo.

Desde 2001, 83 jornalistas, proprietários e funcionários da mídia foram mortos em Honduras. Mais de 95% dos crimes estão impunes.

A ONG Fundamedios pediu às autoridades que conduzam investigação imediata para garantir que os responsáveis sejam levados à justiça e que os crimes sejam punidos.

Leia também: 
Comitê de mídia no Iraque fecha 8 TVs, 4 rádios e notifica 5 agências
Empresário é preso em Malta por envolvimento em assassinato de jornalista