YouTube quer aproximar seus usuários das agências de checagem de fatos

Redação Portal IMPRENSA | 27/11/2019 10:09
Numa nova tentativa de minimizar a presença de notícias falsas em seus canais, o YouTube adicionou nesta terça, 26, um painel de informações com checagem de fatos para desmentir teorias da conspiração divulgadas em vídeos publicados na plataforma.  

Segundo reportagem de Felipe Ventura, publicada no Tecnoblog, o painel de informações só aparecerá quando o usuário pesquisar por "tópicos propensos a teorias da conspiração" e "assuntos que possam rapidamente se tornar alvo de desinformação".

O painel de informações prevê um link para a checagem de fatos, que inclui fontes como Estadão Verifica, Boatos.org, Aos Fatos, Agência Lupa, UOL Confere, AFP Checamos e Projeto Comprova.
Crédito:Reprodução Tecnoblog
Pesquisas no Youtube com teorias da conspiração trarão alerta de notícia falsa e link de conteúdo de agências de checagem

Além disso, a gigante digital passou a avisar os internautas se o canal que ele está acessando é financiado por um governo ou órgão público. Nos EUA, informa a reportagem do Tecnoblog, esse aviso existe desde o ano passado, depois que a emissora estatal russa RT (antes Russia Today) foi acusada de influenciar as eleições presidenciais do país em 2016.

Reportagem do Estadão Conteúdo sobre o mesmo tema informa que, com essas medidas, o YouTube quer que seus usuários se familiarizem com o trabalho das agências de checagem de fatos. Contudo, a empresa está consciente de que os donos dos canais poderão reclamar ao ter seu conteúdo atrelado a um alerta de informações falsas, por isso optou por uma ferramenta de alerta, e não por bloquear diretamente conteúdo falso. 

Nos últimos anos, Google, Facebook e Twitter vêm sendo criticados pela crescente circulação de conteúdos falsos e conspiratórios, e também por permitirem que seus algoritmos ampliem a audiência de boatos. Para muitos analistas, essa atitude das gigantes digitais influenciou processos eleitorais em diferentes países.