Falha no WhatsApp expõe dados de jornalistas e ativistas

Redação Portal IMPRENSA | 30/10/2019 17:11
Pelo menos 100 jornalistas, ativistas de direitos humanos e dissidentes políticos tiveram seus celulares atacados por spywares que exploraram uma vulnerabilidade no WhatsApp, que permitia a instalação de um software de espionagem. 

Crédito:FT
Ao infectar o aparelho por meio de uma chamada de voz, o vírus é capaz de acessar informações sensíveis e executar ações, como ativar remotamente a câmera e o microfone. O Facebook, dono do WhatsApp, acusou o NSO Group, uma empresa israelense que fabrica cyber warfare (softwares de guerra cibernética), de ser a responsável pelo vírus infiltrado, chamado Pegasus.

As vítimas foram contatadas pelo WhatsApp na terça-feira (29/10). 

Em nota ao Financial Times, o WhatsApp informou que passou seis meses investigando a violação, descobrindo que os invasores usaram seu serviço para atingir cerca de 1.400 telefones em um período de duas semanas. Em maio, ele pediu a seus 1,5 bilhão de usuários atualizarem seus aplicativos, a fim de fechar a brecha.

O WhatsApp disse que vai entrar com um processo em um tribunal dos EUA contra a empresa responsável contra o programa invasor. 

Leia também:
Google, Facebook, Twitter e WhatsApp vão aderir ao programa contra fake news do TSE
WhatsApp confirma envio de mais de 100 mil notícias falsas nas eleições de 2018