Facebook concorda em pagar multa por escândalo da Cambridge Analytica

Redação Portal IMPRENSA | 30/10/2019 11:51
O Facebook concordou em pagar uma multa de 500.000 libras, a mais alta possível, ao Gabinete do Comissário da Informação (OIC) sobre o escândalo da Cambridge Analytica. 

Crédito: NurPhoto/Getty Images
O acordo com o órgão regulador ocorre mais de um ano após o escândalo do vazamento de dados de mais de 50 milhões de pessoas para fins eleitorais. 

A OIC anunciou sua intenção de multar o Facebook em julho de 2018, mas a empresa recorreu e, em junho de 2019, o tribunal emitiu uma decisão provisória “sustentando que a OIC deveria divulgar materiais relacionados ao seu processo de tomada de decisão”.

Sob os termos do acordo, o Facebook não assumiu nenhuma responsabilidade. A empresa também foi autorizada a reter os documentos divulgados pela OIC, em parte porque eles podem ajudá-la em sua própria investigação sobre os problemas em torno da Cambridge Analytica. Essa investigação foi interrompida a pedido da OIC.

“Temos o prazer de chegar a um acordo com a OIC. Como dissemos antes, gostaríamos de ter feito mais para investigar as alegações sobre o Cambridge Analytica em 2015. Fizemos grandes mudanças em nossa plataforma naquela época, restringindo significativamente as informações que os desenvolvedores de aplicativos podiam acessar. Proteger as informações e a privacidade das pessoas é uma das principais prioridades do Facebook, e continuamos a criar novos controles para ajudar as pessoas a proteger e gerenciar suas informações”, disse Harry Kinmonth, advogado do Facebook, em entrevista ao The Guardian.

“A proteção das informações pessoais e da privacidade pessoal é de fundamental importância, não apenas para os direitos dos indivíduos, mas também como sabemos agora, para a preservação de uma democracia forte. Temos o prazer de ouvir que o Facebook tomou e continuará a tomar medidas significativas para cumprir os princípios fundamentais da proteção de dados”, disse James Dipple-Johnstone, vice-comissário da OIC. 

Leia também: 
Em iniciativa pioneira, entidade francesa de mídia processa Google por remuneração da publicação de conteúdos
Postagens consideradas falsas receberão etiquetas e pop-ups no Facebook e no Instagram