Bolsonaro admite erro em vídeo de leão contra hienas da imprensa e do STF

Redação Portal IMPRENSA | 29/10/2019 13:22
O presidente Jair Bolsonaro disse que foi um erro publicar um vídeo que o compara a um leão sendo perseguido por hienas, identificadas como veículos de imprensa, STF (Supremo Tribunal Federal), CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), OAB  (Ordem dos Advogados do Brasil) e partidos políticos como PT, PSDB e PDT.

Na montagem publicada, são identificadas como hienas a Folha de S.Paulo, a TV Globo, a revista Veja, o jornal O Estado de S. Paulo e a rádio Jovem Pan.
Crédito:Reprodução


Em seguida, surge outro leão, descrito como "conservador patriota", que expulsa as hienas. Aparece a seguinte mensagem: "Vamos apoiar o nosso presidente até o fim!! E não atacá-lo! Já tem a oposição para fazer isso". Os leões se cumprimentam, e surge a imagem de Bolsonaro, uma bandeira do Brasil e a voz do presidente repetindo seu slogan: "Brasil acima de tudo. Deus acima de todos".

Postado na segunda-feira (28/10), nas redes sociais, o vídeo foi removido, após grande repercussão e críticas da sociedade. A hashtag #hienasdetoga, inclusive, foi uma das mais comentadas no Twitter.

O decano do STF, ministro Celso de Mello, disse que a “postagem torna evidente que o atrevimento presidencial parece não encontrar limites na compostura que um chefe de Estado deve demonstrar no exercício de suas altas funções".

“Me desculpo publicamente ao STF, a quem por ventura ficou ofendido. Foi uma injustiça, sim, corrigimos e vamos publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas. Erramos e haverá retratação", disse o presidente em entrevista ao Estadão, durante viagem à Arábia Saudita.

Bolsonaro evitou dizer que o vídeo tenha sido postado pelo filho Carlos, que cuida das redes sociais do presidente. 

"Não se pode culpar o Carlos. A responsabilidade final é minha. O Carlos foi um dos grandes responsáveis pela minha eleição e é comum qualquer coisa errada em mídias sociais culpá-lo diretamente. A responsabilidade é minha, tem mais gente que tem a senha, e não sei por que passou despercebido essa matéria aí", disse. 

Leia também:
Eduardo Bolsonaro corre por três anexos do Congresso para fugir da imprensa
Gilmar Mendes suspende MP que revoga exigência de publicar licitação em jornal