Queda de veto presidencial a punições mais duras contra propagadores de fake news acirra debate nas redes

Redação Portal IMPRENSA | 29/08/2019 14:03
A derrubada pelo Congresso Nacional, na noite desta quarta, 28, do veto de Jair Bolsonaro a penas mais duras para quem propaga notícias falsas nas eleições está gerando intensa discussão nas redes sociais.

Derrubado por 326 deputados e 48 senadores, sob o argumento da contrariedade ao interesse público, o veto havia sido anunciado em junho, quando a Lei 13.834/2019, que atualiza o Código Eleitoral, chegou à mesa do presidente da República. 
Crédito: Agência Brasil
Reprodução Agência Brasil
Congresso derrubou veto de Bolsonaro: punição rígida a quem propaga fake news em eleições
Com a derrubada do veto presidencial, a pena para quem divulgar notícias falsas com objetivo eleitoral é de dois a oito anos de reclusão. A pena só será aplicada quando estiver comprovado que o acusado sabia da inocência do alvo da notícia falsa propagada.

Nesta quinta, 29, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) discutiu com o também deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) pelo Twittera respeito da votação do dia anterior.

"Derrubado o veto da lei que pune com 2 a 8 anos de prisão quem divulgar fake news. Parabéns dep. Kim Kataguiri (DEM-SP) por ter viabilizado esse instrumento que vai calar exatamente aqueles que não divulgam fake news. A esquerda comemorou no plenário, será por quê?", perguntou.

Em resposta, Kim Kataguiri postou em sua conta no Twitter: "Comemorou porque qualquer veto derrubado ela comemora. E você reclama porque não leu o projeto, aliás, nem estava no plenário durante a discussão, como nunca está. Se era contra, por que nao participou do debate? Por que não foi virar votos a favor do veto? Férias pré-embaixada?"