Bolsonaro usa matéria da Record para atacar jornalistas da Globo

Redação Portal IMPRENSA | 29/08/2019 08:43
As provocações que o presidente Jair Bolsonaro tem feito à imprensa serviram para alimentar uma guerra já existente entre dois concorrentes, Globo e Record.
Crédito:Reprodução
Crítico frequente do governo Bolsonaro, Merval Pereira, comentarista do jornal O Globo, foi o  alvo da vez. 

No último sábado, Bolsonaro publicou em sua conta no Twitter “Você contrataria um palestrante para sua empresa pagando R$ 375.000? Se contratar, o dinheiro é seu e ninguém tem nada a ver com isso,  tá ok? Mas, Merval Pereira, colunista do O Globo, em 24/03/16, pela empresa MPF Produções e Eventos, recebeu do Senac/RJ, R$ 375.000 por uma palestra”. 
Crédito:Reprodução


Na saída do Palácio do Planalto, declarou que só daria entrevista depois que os veículos publicassem a história. “Se vocês não fizerem nenhuma matéria sobre isso amanhã nos jornais, eu não dou mais entrevista para vocês, tá legal? Tá combinado? Toda a imprensa, tá combinado?”, avisou.

Folha de S.Paulo, Uol  e Brasil 247 publicaram no dia a ameaça feita pelo presidente. 

Em sua coluna de domingo, no jornal O Globo, Merval Pereira explicou a contratação aos leitores. “Em março de 2016, eu e diversos outros jornalistas e economistas fomos contratados para participar do Mapa Estratégico do Comércio, da Fecomércio do Rio. O projeto previa 15 palestras em diversas cidades do Estado do Rio, analisando as perspectivas políticas e econômicas naquele ano de eleições municipais. Os R$ 375 mil de que fala o presidente, portanto, não se referem a uma palestra, mas às 15 previstas para os anos de 2016 e 2017. Na verdade, não recebi esse total, pois o programa foi interrompido, e acabei dando 13 palestras”, escreveu. 
Crédito:Reprodução


O Uol, Antagonista, Catraca Livre, Poder 360, Terra fizeram matérias comentando os números distorcidos. 

Na segunda-feira, Bolsonaro se recusou a dar entrevistas.  “Ninguém publicou nada sobre o Merval Pereira. Eu falei que não ia dar entrevista e não vou dar entrevista. Eu vou falar com vocês, tá ok?”.

Ele aproveitou para citar nomes de outros jornalistas do Grupo Globo que teriam sido contratados para dar palestras. “Além do Merval Pereira tem Cristiana Lobo, R$ 330 mil, comentarista da Globo. Samy Dana, comentarista do programa conta-corrente da GloboNews. Olha só, presta atenção no contrato. Uma palestra, presta atenção. R$ 284.450,88, tá ok? Giuliana Morrone, R$ 270 mil, como apresentadora do Bom Dia Brasil em Brasília. Mais, Pedro de Moraes Rubim de Aciolly da Costa Doria, R$ 225 mil, colunista dos jornais O Globo e da rádio CBN”, afirmou.

Na segunda-feira, a TV Record usou os dados do presidente para atacar a sua rival. Em seu principal telejornal, o “Jornal da Record”, foram citados o jornalista Merval Pereira; o ex-comentarista Samy Dana, que falou sobre desburocratização e empreendedorismo no Senac; a âncora Giuliana Morrone, que teria recebido R$ 270 mil para contar sobre como pequenos empresários de Nova York enfrentaram a recessão americana de 1929; e Rodrigo Pimentel. 

Pelo WhatsApp, Bolsonaro aproveitou para repassar a reportagem exibida pela TV Record.

“Figurões da Globo embolsaram R$ milhões em palestras. Nas telas da TV ou jornais desinformavam e atacavam seus desafetos. Muitos sofrem com esse jornalismo e têm suas reputações comprometidas. Parabéns TV RECORD.  PEÇO REPASSAR. Jair Bolsonaro.” 

Leia também:
Aliados de Trump criam rede para investigar jornalistas considerados hostis
Bolsonaro diz que jornal vai fechar e que imprensa está cometendo suicídio