Apesar de espalhar fake news, uso do WhatsApp deixou eleições mais igualitárias na Nigéria

Redação Portal IMPRENSA | 16/08/2019 12:07
A disseminação de fake news através de redes sociais durante as eleições tem causado preocupação em diferentes países do mundo. Nas eleições realizadas na Nigéria, em maio deste ano, uma das mensagens mais compartilhadas dizia que o presidente do país havia morrido enquanto passava por tratamento médico e teria sido substituído por um clone do Sudão. 

Em estudo para analisar o impacto que o WhatsApp teve nas eleições na Nigéria, o Centro de Democracia e Desenvolvimento do país e a Universidade de Birmingham  descobriram que, apesar de a rede ter sido usada para espalhar fake news, ela também contribuiu  para deixar a disputa política mais igualitária, especialmente em relação às oportunidades de candidatos menores ganharem espaço.

A maioria dos entrevistados disse ter usado o WhatsApp para compartilhar informações sobre promessas de campanha e que muitas dessas mensagens eram projetadas para acabar com a reputação de um candidato.

Na análise, os pesquisadores sugerem que os governos promovam a alfabetização digital, além de criarem códigos de conduta de mídia social nas eleições, a fim de controlar a veracidade das informações compartilhadas.

Leia também:
Assessora diz ter visto encaminhamento de fake news pró-Bolsonaro