Agressões contra jornalistas se generalizam em Hong Kong

Redação Portal IMPRENSA | 13/08/2019 18:20
O Clube de Correspondentes Estrangeiros de Hong Kong (FCCHK) enviou ontem (12/08) uma carta ao Comissário de Polícia de Hong Kong, Stephen Lo Wai Chung, manifestando preocupação com a violência contra jornalistas no país. 
Crédito:DALE DE LA REY / AFP


No último domingo ocorreram quatro novos ataques contra jornalistas no bairro de North Point durante a cobertura de manifestações antiextradição. 

Desde o início de junho, Hong Kong é palco de manifestações contra um projeto de lei que permite a extraditar para a China residentes ou visitantes, incluindo jornalistas e suas fontes.

Segundo a organização Repórteres sem Fronteiras (RSF), nos últimos dois meses, muitos jornalistas foram vítimas de intimidação e violência física pela polícia e por gangues mafiosas pró-Pequim.

“A violência contra os jornalistas é agora sistemática e visa claramente dissuadi-los de cobrir as manifestações”, afirma Cédric Alviani, diretor do escritório da RSF no Leste Asiático, e insta as autoridades de Hong Kong a “dar um fim à violência contra a imprensa e abrir uma investigação independente sobre a brutalidade passada”.
 
No Ranking da Liberdade de Imprensa da RSF, a Região Administrativa Especial de Hong Kong caiu do 18º lugar em 2002 para 73º este ano. A China, por sua vez, ocupa a 177ª posição de 180

Leia também:
Jornalista transmite ao vivo, via streaming, momento em que é atacada em Hong Kong
Jornalistas protestam em Hong Kong contra atuação policial