“Eventos como o congresso da Jeduca são fundamentais para diminuir a distância entre o público e os jornalistas”, afirma José Roberto de Toledo, da revista piauí

Kassia Nobre | 09/08/2019 16:50
Quais são os principais desafios do jornalismo num cenário em que a profissão disputa espaço com informações falsas que circulam em aplicativos e nas redes sociais? Este é um dos temas que serão debatidos no 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação da Jeduca.
 
O editor-executivo da revista piauí, José Roberto de Toledo, estará na mesa de abertura da Jeduca. O Portal IMPRENSA conversou com o jornalista sobre sua participação no evento. Além disso, Toledo falou sobre o trabalho do jornalista no governo Bolsonaro. “A melhor maneira de responder a um governo que trata a imprensa como inimiga é trabalhando”, afirmou.
Crédito:Arquivo pessoal / Divulgação

 
Redação Portal IMPRENSA - A mesa de abertura tem como tema o trabalho do jornalista em um ambiente político polarizado e hostil aos profissionais. Gostaria que você contasse um pouco como é na prática esta realidade para os jornalistas, não só da revista piauí, mas no cenário do jornalismo brasileiro.

José Roberto de Toledo - Os repórteres que cobrem o Palácio do Planalto ou a Esplanada dos Ministérios estão vivendo isso mais diretamente, mas isso afeta a categoria como um todo e os meios de comunicação também. Existem várias maneiras de pensar o problema. Desde a falta de educação do presidente Bolsonaro no trato diário com os repórteres. Quando não responde uma pergunta que não gosta e vai embora ou faz um ataque pessoal à jornalista que fez a pergunta, falando que ela é feia ou qualquer bobagem ou estupidez do gênero.
 
Até coisas mais graves, como um ataque ao jornalismo. Ele deu uma entrevista dizendo que se o jornalismo fosse crime, todos os jornalistas estariam presos. Ou então baixar uma medida provisória com o explícito desejo de tentar falir o jornal. Por mais que isso seja um anacronismo hoje em dia e que não faça mais nenhum sentido você obrigar uma empresa a publicar um balanço nos jornais de papel. Mas não foi por conta das árvores que deixaram de ser derrubadas que o Bolsonaro baixou a medida. Foi justamente para tentar atingir financeiramente a imprensa. E tentar acabar com qualquer tipo de atitude mais crítica em relação ao governo dele. 

Redação Portal IMPRENSA - Quais são as ações que você acredita que o jornalismo possa desempenhar para enfrentar isso?

José Roberto de Toledo - A gente precisa continuar fazendo o nosso trabalho, como fizemos em todos os governos anteriores. A crise da imprensa e do modelo de negócio que sustentou a imprensa durante um século não foi criada pelo Bolsonaro. A melhor maneira de responder a um governo que trata a imprensa como inimiga é trabalhando. 

Redação Portal IMPRENSA - Qual é a sua expectativa para o debate no congresso da Jeduca? E qual é a importância de se discutir jornalismo neste ambiente de desinformação e polarização?

José Roberto de Toledo - O jornalismo, como qualquer atividade, precisa estar permanentemente olhando para o que faz e criando espaços para discutir com a sociedade os processos que levam a elaboração deste produto. Eventos como a Jeduca são fundamentais para diminuir a distância entre o público e os jornalistas. E que eles possam debater juntos essas circunstâncias novas e antigas que permeiam essa produção.

Jeduca
O congresso do Jeduca acontece nos dias 19 e 20 de agosto (segunda e terça-feira), no Colégio Rio Branco, em São Paulo. As inscrições para o congresso vão até o dia 14 de agosto, no site do evento. 

Programação
A programação do evento é composta por 15 mesas e sete oficinas, organizadas em três eixos: era da desinformação, educação midiática e novos e antigos desafios da educação. A lista completa dos participantes pode ser consultada também pelo site. 

Leia também: