“É preciso acreditar na pauta” afirma Nayara Felizardo, repórter do Intercept Brasil

Kassia Nobre | 02/08/2019 14:26
Nayara Felizardo é nordestina, formada pela Universidade Estadual do Piauí e repórter do Intercept Brasil. Ela escreve sobre as regiões Norte e Nordeste. O Portal IMPRENSA conversou com a repórter sobre o trabalho de investigação jornalística longe dos grandes centros. Além de contar sobre a sua trajetória, Nayara deu dicas para “emplacar” reportagens em veículos nacionais.    

A repórter acredita que o fundamental para os jornalistas que não estão nos grandes centros é acreditar na pauta: “É preciso acreditar na pauta, fazer um bom trabalho de apuração e encontrar um editor que reconheça que o Brasil é maior do que o Sudeste e o Sul”, declara.
Crédito:Arquivo pessoal

Trajetória

A primeira reportagem de Nayara foi como estagiária em um jornal impresso do Piauí. Ela queria descobrir quem eram os chefes do tráfico de cada região de Teresina.

“A imprensa local geralmente focava nos pequenos traficantes, muitos deles dependentes químicos, e eu achava que era injusto não mostrar quem realmente lucrava com o comércio. Para conseguir as informações fui até os pontos de venda, conversei com diversas pessoas - desde policiais até usuários - e elaborei um mapa do tráfico na cidade, com os nomes dos líderes de cada região”, relata.

Para a repórter, esta experiência representou a largada para a carreira como jornalista investigativa.  Após realizar outras reportagens e coordenar um portal de notícias, decidiu iniciar uma consultoria para jornalistas e foi a partir dela que teve contato com os editores da agência de notícias Intercept Brasil.

“Produzi algumas matérias para eles como freelas, até que recebi o convite para fazer parte da equipe como repórter que cobre Norte e Nordeste”, lembra.

Assim, Nayara pode reportar para o Brasil sobre realidades nordestinas como o trabalho infantil e sobre os jovens que trabalham para o tráfico. Além de contar histórias vindas do Norte, como as dinastias dentro do judiciário amazonense.

Desafios

Um dos principais desafios de Nayara é convencer os editores sobre a importância da pauta fora dos grandes centros.

“O jornalista precisa ter um talento a mais, que é o de convencer os editores sobre a importância daquela pauta. As histórias também precisam estar sempre relacionadas a fatos que acontecem no Sudeste. A pauta nunca é boa por si só. Precisa sempre ter um referencial que é definido por acontecimentos que dizem ser nacionais, só porque ocorreram no grande centro”, afirma.

Dicas

Além de repórter do Intercept Brasil, Nayara realiza cursos de jornalismo investigativo nos estados do Norte e Nordeste. Ela cita algumas dicas para os jornalistas que pretendem apostar na carreira investigativa e “emplacar” em veículos nacionais.

- Faça uma apuração impecável de pautas que os veículos locais não têm interesse de publicar, geralmente por causa das relações políticas.

- Construa uma pauta relacionada com fatos teoricamente nacionais porque ela terá mais chance de sair. Por exemplo, uma denúncia sobre um deputado federal tem mais possibilidade de ganhar atenção do que de um deputado estadual. 

- Não desista no primeiro não. Parece coisa de coach (risos), mas é mesmo difícil convencer os editores que estão com a cabeça focada no grande centro.   

Leia mais