Para Greenwald, "tentam criar ameaça à imprensa livre"

Redação Portal IMPRENSA | 11/07/2019 17:28
O diretor do site The Intercept Brasil, Gleen Greenwald, disse, em sessão na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, que estão tentando criminalizar o jornalismo e os jornalistas. "O clima que o ministro está tentando criar é de uma ameaça à imprensa livre. Ele quer que fiquemos com medo e apreensão. Não temos medo nenhum. Continuamos publicando depois disso. Vamos continuar publicando", disse Greenwald sobre as notícias de que a Polícia Federal teria pedido ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para investigá-lo.

Greenwald foi convidado a falar ao Senado sobre os vazamentos de supostas conversas entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava-Jato. “É impensável, em uma democracia, pensar em prender ou investigar um jornalista pelo trabalho que ele está fazendo”, afirmou.
Crédito:Agência Senado


O jornalista disse ter ficado chocado ao ler o material recebido de uma fonte anônima pela primeira vez. “Um juiz que, durante cinco anos, falou que era neutro, estava fazendo justamente o contrário. Eu tinha nas minhas mãos um material que mostrava que o tempo todo o Sergio Moro estava mandando na Lava Jato”, disse.

Ao iniciar a sessão, os senadores fizeram um minuto de silêncio em homenagem ao jornalista Paulo Henrique Amorim, que morreu nesta quarta (10/07), vítima de um infarto fulminante em sua casa no Rio de Janeiro.

Ao defender a liberdade de imprensa, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) disse estranhar que o jornalista esteja sendo investigado, quando as suas denúncias é que deveriam ser apuradas. 

Entidades, como a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Repórteres sem Fronteiras, enviaram à CCJ uma nota de repúdio ao cerceamento da atividade jornalística.