A remoção da localização nos tweets é ruim para os jornalistas, destaca o Nieman Lab

Redação Portal IMPRENSA | 01/07/2019 12:15
O Twitter está removendo habilidade de seus usuários de indicarem a exata localização geográfica em seus tweets. Desde 2009, era possível incluir o local onde o tweet foi publicado com o objetivo de permitir que se concentrasse em conversas locais. 

A sua perda será sentida por jornalistas, pesquisadores e qualquer outra pessoa que usou esses dados para conectar a vasta extensão da mídia social a locais reais.
Crédito:Reprodução



Em artigo publicado no Nieman Lab e traduzido pelo Poder 360, o jornalista inglês Joshua Benton afirma que a pesquisa por localização pode gerar um conjunto de fontes em potencial: como comparar como os candidatos presidenciais estão sendo falados em um estado ou os padrões de deslocamento durante o tempo da viagem. 

No contexto das notícias falsas, os dados de localização ajudam a rastrear onde as campanhas de desinformação estão se espalhando mais rapidamente. Os tweets podem ser usados  para descobrir  uma campanha de desinformação no ato. 

"A privacidade de uma pessoa é um dado útil para outra, e isso é uma troca muito real – ainda que preciosa. Para jornalistas, pesquisadores e outras pessoas no negócio de informar pessoas ao redor do mundo, perderemos os dados quando eles forem extintos", escreveu o jornalista

Leia também:
Senado quer criar Instituto Independente para acompanhamento das mídias sociais
Twitter faz aquisição estratégica para o combate das fake news