Jornalista mexicana, especializada em cobertura policial, é assassinada

Redação Portal IMPRENSA | 12/06/2019 11:36
“Silenciam uma jornalista”, informa em nota o Tabasco HOY sobre o assassinato de Norma Sarabia Garduza, correspondente do jornal mexicano há mais de quinze anos. Sua morte causou indignação na sociedade e em diversos meios de comunicação. 
Crédito:Divulgação / Tabasco HOY

A jornalista, especializada na cobertura de notas policiais, estava ontem à noite na porta de sua casa conversando com familiares quando recebeu diversos tiros a queima roupa. Os agressores escaparam em seguida. Crime aconteceu na cidade de Huimanguillo, que fica a cerca de 65 km da capital do estado.

De acordo com a France Presse, em 2014, Norma recebeu ameaças após publicar informações que envolviam os comandantes da polícia de Huimanguillo em supostos casos de sequestro, e ela chegou a denunciar judicialmente os comandantes. 

Norma é a primeira jornalista mulher assassinada em Tabasco, localizado no sudeste do México, e o Tabasco HOY lembra que mais seis comunicadores foram assassinados no estado nos últimos 12 anos, no entanto a maioria dos casos segue impune.
Crédito:Reprodução / Twitter Tabasco HOY

Na edição mais recente do Índice Global de Impunidade, elaborado pelo Comitê para Proteção dos Jornalistas (CPJ), o México aparece como o país latino-americano com maior número não solucionado de ocorrências contra profissionais da comunicação.

Leia também