Centenário jornal venezuelano encerra edição impressa

Redação Portal IMPRENSA | 14/05/2019 13:12

O jornal Panorama, da cidade de Maracaibo, na Venezuela, circulou hoje (14) pela última vez na versão impressa. Em editorial, o periódico, que existe há 104 anos, informou a seus leitores que continuará a existir apenas na edição digital. 

Crédito: Reprodução

O motivo, como já se tornou praxe no país, é a crise econômica. No caso das empresas jornalísticas, a situação afeta diretamente o fornecimento de papel e outros insumos necessários para a produção de edições impressas. 


De acordo com informações da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP na sigla em espanhol), em seu auge, o Panorama teve edições com mais de 100 página e chegou a circular com média diária de 200 mil exemplares. No longo processo de extinção da versão impressa, a publicação foi acabando aos poucos com diversos produtos editoriais de seu portfólio, reduzindo número de páginas e tiragens, tentando adiar o desfecho final. 


"A informação se converte em outra vítima da crise nacional que já atinge todas as ordens. Uma economia destruída por uma secura de divisas, um caos político impossível de manejar, uma sociedade fragmentada que foge diariamente a países vizinhos em uma diáspora inédita", registrou o editorial de anúncio da decisão. 


Desde o tempo do presidente Hugo Chávez, dezenas de jornais, revistas e outros meios de comunicação fecharam na Venezuela. Sob o governo de Nicolás Maduro, a situação do setor de comunicação se tornou ainda mais grave. 


Acesse a íntegra do editorial anunciando o fim da edição impressa divulgada pela SIP. 


Leia também:
Adesão de jornais a assinaturas digitais cresce na Europa e EUA
Venezuela impõe censura digital à imprensa em meio a protestos