Jornalista espanhol é expulso da Venezuela pelo governo de Nicolás Maduro

Redação Portal IMPRENSA | 08/05/2019 14:31

O repórter espanhol Joan Guirado, que estava na Venezuela cobrindo a crise e as manifestações locais, foi expulso do país pelo governo de Nicolás Maduro. Ele trabalha para o jornal OK Diario, de Madrid. 

Crédito: Reprodução

De acordo com a publicação, Guirado ficou detido durante horas por homens da polícia secreta governamental (Sebin) antes de ser mandado para o aeroporto de Maiquetía, de onde seguiria para a República Dominicana. O repórter havia sido enviado para Caracas, capital da Venezuela, para cobrir as manifestações que tentaram forçar a renúncia de Maduro. 


Quando a polícia devolveu seu celular, Guirado postou em sua conta no Twitter uma atualização da situação. "Recupero a liberdade parcial depois de algumas horas detido pelo Serbin de Nicolás Maduro. Estou bem, com vontade de voltar para casa o quanto antes. Não é uma experiência agradável, muito menos quando a única coisa que está fazendo é jornalismo", escreveu. 


A publicação espanhola informou ainda que, segundo seu jornalista, ele foi detido juntamente com outros profissionais de imprensa por homens do Serbin que se infiltraram nas manifestações.


Em sua página no Twitter, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Imprensa (SNTP na sigla em espanhol) informou que nos últimos cinco meses, uma dezena de jornalistas foram expulsos do país por determinação de Maduro. A organização informou ainda que em menos de 24 horas, o Conatel, órgão do governo responsável pelo controle dos serviços de comunicação, fechou duas emissoras de rádio no país. Uma das vítimas foi a Criolla 92.9 FM, que também teve seus equipamentos apreendidos. 


Leia também:
SIP cita Brasil e critica governos que agem para tirar credibilidade da imprensa
Venezuela impõe censura digital à imprensa em meio a protestos