Brasil tem aumento de 30% em graves violações contra comunicadores

Redação Portal IMPRENSA | 07/05/2019 12:06

Levantamento realizado pela Artigo 19 indicou aumento de 30% na ocorrência de violações graves contra jornalistas e comunicadores em geral. Intitulado "Violações à liberdade de expressão", o relatório analisa ocorrências registradas e apuradas pela organização no Brasil durante 2018. 

Crédito: Reprodução
Gráfico mostra o número total de casos ano a ano

O documento cita 35 casos, sendo 26 ameaças de morte, quatro homicídios, quatro tentativas de homicídio e um sequestro. Em 2017, o número total havia sido de 27 ocorrências. O número total de casos registrados repete os índices de 2012 e 2015, anos com a maior quantidade de violações graves no país. 


Agentes do Estado, como políticos, policiais e agentes públicos, são responsáveis por mais da metade (51%) dos ataques. Esse grupo foi o autor de 18 ocorrências registradas no período.


Na maioria das vezes (74%), os ataques (26) ocorreram após a veiculação de denúncias. Sete (20%) foram resultado de críticas ou opiniões emitidas pelo comunicador. Em dois casos (6%), os atos foram motivados por processos de investigação. 


Pela primeira vez, o relatório inclui uma análise específica do ambiente digital no contexto das eleições. De acordo com o levantamento, 11 ameaças de morte foram praticadas em ambiente online, como mídias sociais, aplicativos para troca de mensagens e e-mails.  


"Os casos de graves violações em 2018 demonstram dois aspectos do cenário de violência. Primeiro, se reforçam as tendências históricas de ataques de pessoas poderosas, especialmente políticos, contra comunicadores em cidades pequenas que realizam denúncias contra ações realizadas por essas pessoas. Em segundo lugar, fica evidente um cenário que já vinha se desenhando nos últimos anos: os ataques online contra comunicadores têm se intensificado e impactado a vida e o trabalho de comunicadores inclusive fora da esfera virtual, de modo que novos desafios no enfrentamento da violência são colocados”, explicou Thiago Firbida, assessor de Proteção e Segurança da entidade e responsável pelo relatório.


O relatório traz também um panorama geral da violência contra comunicadores em 2018, traça um perfil das vítimas e dos autores dos ataques e uma atualização sobre a situação das investigações sobre os casos. 


Acesse aqui a íntegra do documento


Leia também:

SIP cita Brasil e critica governos que agem para tirar credibilidade da imprensa
Senadora pede estudos sobre liberdade de imprensa no Brasil