“A questão do ódio é fruto do autoritarismo, e não das mídias sociais”, ressalta o advogado André Marsiglia

Redação Portal IMPRENSA | 06/05/2019 08:22

O painel “os desafios do medo, do ódio e da generalização” do 11º Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia, moderado por Pedro Burgos, jornalista e professor do Insper, trouxe diversas reflexões do período em que o jornalismo se encontra. Com grandes nomes da imprensa moderna e tradicional, a principal pauta foi em volta da percepção da sociedade em relação ao jornalismo.

Crédito:Acácio Pinheiro / IMPRENSA


Tiago Mali, chefe de redação do Poder360, deu alguns dados sobre a falta de credibilidade da imprensa no Brasil. Segundo ele, 37% da população não acredita e não confia na mídia, e Pedro Burgos acrescentou que, dentre os jovens entre 18 e 24 anos, esse número representa 14%. Ambos os dados foram retirados da última pesquisa do Datafolha a respeito do assunto, em 2017.

 

Para Tiago, a crescente precariedade do trabalho da imprensa, os mecanismos de estímulo à polarização criado pelas redes sociais e a sobrecarga de informação criam um ambiente propício para a falta de credibilidade na mídia e da desinformação, disseminando facilmente absurdos como “a ideia de que a terra é plana”, pensamento que contradiz a ciência, assim como a campanha antivacinação feita nas redes sociais, que tem gerado problemas de saúde pública no Brasil.

 

Rosane Garcia, subeditora de Opinião do Correio Braziliense, falou sobre “como as mídias sociais e o governo tentam diminuir a credibilidade da imprensa nos detalhes”. Uma das causas disso, segundo Rosane, é por conta da crise econômica que vive o país, onde a imprensa fica a mercê do dinheiro público, e a liberdade de expressão perde espaço: “Se você tem uma economia que não vai bem, nada vai bem, e a imprensa não escapa disso. Os investimentos são pequenos e as pessoas não se unem”.

 

Para Rosane, o constante ataque à mídia gera problemas seríssimos na hora do público discernir entre o certo e o errado, até gerando uma inversão da responsabilidade: “Quando alguém é flagrado e ligado à corrupção, a culpa é do jornalista. A culpa não é da pessoa que cometeu o crime, e sim, do jornalista que publicou e tornou pública a situação”.

 

André Marsiglia Santos, sócio-diretor do escritório Lourival J. Santos Advogados comentou os casos do site Antagonista e da revista Crusoé. O advogado, que trabalha há mais de 30 anos com a defesa da liberdade de expressão, disse que nunca havia visto uma situação de censura tão explícita. Para o advogado, “embora tenham tentado dar outros nomes, aquilo era censura”. O substantivo censura tem que ser combatido, tanto faz se é prévia ou não, pois o que está em jogo é o direito da coletividade de ser informado.

 

Por fim, o advogado disse que acredita que a questão do ódio é fruto do autoritarismo, e não das mídias sociais ou da modernidade. Segundo ele, “o autoritarismo sempre existiu no Brasil, e ele quem faz com que muitas vezes o poder seja personificado na autoridade, e por conta disso, tenhamos tantos problemas no nosso dia a dia”. André explicou que esse tipo de situação é pior ainda, pois o medo e a intimidação fazem com que o jornalista tenha medo de exercer sua profissão.

 

José Casado, jornalista e colunista de O Globo, deu continuidade à pauta sobre a censura sofrida pelo Antagonista e a Crusoé. Segundo ele, após os ocorridos, ficou claro que “o poder decidiu restaurar a censura formalmente”.

 

O colunista defendeu a ideia de que o jornalismo deve ser criticado. Para ele, por conta da era digital e do fluxo de informações, é comum que ocorram falhas, mas que isso não justifica a crucificação de toda a classe jornalística.


Promovido pela Revista e Portal IMPRENSA, esta edição do fórum conta com o patrocínio da ABERT, apoio da OAB-DF, e apoio logístico do Insper. Além do apoio institucional da ABI, Abracom, Abraji, ANER, ANJ, Associação dos Correspondentes Estrangeiros, Instituto Palavra Aberta, OBCOM/USP, e Repórteres sem Fronteiras, e apoio de mídia da Agência Radioweb e do JOTA. Confira no site do evento a galeria de fotos, notas de cobertura e materiais relacionados. 


Leia também

“A liberdade de imprensa hoje é maior que ontem, e amanhã será maior que hoje”, afirma Murillo de Aragão

"Nossas liberdades, tão protegidas e sempre tão valorizadas, estão em risco", diz advogado da Crusoé