“A liberdade de imprensa hoje é maior que ontem, e amanhã será maior que hoje”, afirma Murillo de Aragão

Deivlin Vale, em colaboração | 03/05/2019 11:15

Nesta quinta-feira, dia 2, ocorreu o 11º Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia na sede da OAB-DF. Na conferência de abertura, o assunto abordado foi a liberdade de imprensa e as relações entre legislativo, judiciário e jornalismo.

Crédito:Acácio Pinheiro / IMPRENSA
Murillo de Aragão, Flávio Lara Resende e Sinval de Itacarambi Leão


Mediado por Flávio Lara Resende, conselheiro da ABERT e diretor-geral do Grupo BAND em Brasília,  e Sinval de Itacarambi Leão, diretor da IMPRENSA Editorial, Murillo de Aragão, presidente do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional, ressaltou a importância da luta pelo direito à democracia, e relembrou em seu discurso nomes de ditadores da esquerda e da direita que tentaram restringir a livre expressão durante seus regimes.


A partir desse assunto, Murillo falou também sobre os pilares que moldam a frágil liberdade de expressão no Brasil, “a sociedade precisa entender que quando há uma restrição à liberdade de expressão, e uma censura ao comunicador social, isso também afeta ela”.

 

“A liberdade de imprensa hoje é maior que ontem, e amanhã será maior que hoje”. Justifica sua certeza apontando quatro vetores estruturais, entre eles, o econômico e o educacional.

 

Na conferência, citou a dependência da verba pública para que os jornais e revistas continuem - mesmo que de forma ridícula, segundo ele, em números comparados entre população e circulação - existindo. E afirmou que o vazamento de informações sobre processos em curso enfraquece o relacionamento da mídia com o judiciário, e que prejudica cada vez mais a inter-relação entre eles.


Por fim, Murillo de Aragão mencionou a responsabilidade prevista pela regulamentação dos canais tradicionais da mídia, e criticou o uso irregular das redes sociais para disseminação de fake news.


Promovido pela Revista e Portal IMPRENSA, esta edição do fórum conta com o patrocínio da ABERT, apoio da OAB-DF, e apoio logístico do Insper. Além do apoio institucional da ABI, Abracom, Abraji, ANER, ANJ, Associação dos Correspondentes Estrangeiros, Instituto Palavra Aberta, OBCOM/USP, e Repórteres sem Fronteiras, e apoio de mídia da Agência Radioweb e do JOTA.


Leia também

Liberdade de imprensa diminui no Brasil, revela ranking internacional