Estadão se une à One Free Press Coalition

Redação Portal IMPRENSA | 02/05/2019 14:56

O jornal O Estado de S. Paulo foi o primeiro representante da mídia brasileira a se unir à iniciativa One Free Press Coalition. Focado em apoiar a imprensa livre no mundo, o movimento chama a atenção para as infrações à liberdade de imprensa. 

Crédito: Reprodução

Lançada em março, a coalizão reunia inicialmente 11 importantes organizações internacionais de imprensa. Em abril, já são 33 empresas participando em todo o mundo. Junto, esse grupo tem mais de 1 bilhão de audiência.  


Todo início de mês seus participantes publicam uma lista com os dez casos mais urgentes e graves envolvendo a questão. A relação mais recente destaca os casos de: Azory Gwanda, jornalista freelancer da Tanzânia que está desaparecido desde novembro de 2017; Wa Lone e Kyaw Soe Oo, repórteres freelancers da Reuters presos em Mianmar; Miguel Mora e Lucía Pineda, jornalistas presos na Nicarágua; Miroslava Breach Belducea, correspondente internacional assassinada no México; Claudia Duque, repórter investigativa colombiana torturada e exilada e que está sendo processada em seu país; Mahmoud Abou Zeid (Shawkan) e Alaa Abdelfattah, respectivamente, blogueiro e fotógrafo egípcios, que passaram cinco anos presos e atualmente ainda têm de dormir na cadeia; Aasif Sultan, repórter indiano que está preso; Jamal Khashoggi, comentaria saudita assassinado no ano passado dentro do consulado de seu país na Turquia; Mimi Mefo, jornalista acusada de crime cibernético e publicação de notícias falsas em Camarões; e Anna Nimiriano, jornalista do Sudão do Sul que vive sob ameaça.


Leia também:
STF anula decisões que censuraram matéria da Jovem Pan
Polícia irlandesa divulga vídeo de suspeito pela morte de jornalista