Venezuela impõe censura digital à imprensa em meio a protestos

Redação Portal IMPRENSA | 02/05/2019 12:30

Como parte da reação governamental à onda de protestos populares no país, o governo da Venezuela restringiu os serviços de internet às mídias digitais, rádio e televisão. A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP na sigla em espanhol) condenou a censura informativa imposta pelo regime de Nicolás Maduro à população.   

Crédito: Reprodução/SIP

A presidente da entidade, Maria Elvira Domínguez, que também dirige o jornal colombiano El País, pediu que os venezuelanos tenham seu direito à informação respeitado e lamentou "os atos de censura e repressão contra jornalistas, plataformas digitais, mídias tradicionais e outras formas de comunicação que, apesar de enfrentar numerosos riscos, mantêm a responsabilidade de seguir informando". 


A SIP informa que a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) determinou dos canais corte dos sinais da CNN Internacional e BBC Mundo. CNN em Espanhol e NTN24, da Colômbia, também foram afetados. O órgão governamental, responsável pelo controle das comunicações no país, também suspendeu as transmissões da Radio Caracas Radio (RCR) e confiscou seus equipamentos, alegando o vencimento da concessão. Já o portal argentino Infobae segue censurado no país desde outubro de 2014. 


A população venezuelana também teve dificuldades para utilizar redes sociais como Twitter, Instagram, Facebook, Periscope, Youtube e Google. 


De acordo com levantamento realizado pelo Instituto de Imprensa e Sociedade Venezuela (Ypys Venezuela), foram registrados 19 casos de violações à liberdade de expressão e direitos digitais no país apenas no dia 30 de abril. Nesta data, o autoproclamado presidente da Venezuela Juan Guaidó pediu à população que iniciasse manifestações de protesto contra o atual regime. 


Leia também:
STF anula decisões que censuraram matéria da Jovem Pan

Copa do Mundo de futebol feminino ganha destaque inédito em cobertura da Globo