EUA proíbem entrada no país de envolvidos em assassinato de jornalista

Redação Portal IMPRENSA | 09/04/2019 10:34

O secretário de Estado Mike Pompeo anunciou que 16 cidadãos da Arábia Saudita envolvidos no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi estão proibidos de entrar no território dos Estados Unidos. A informação foi divulgada na noite de segunda-feira (8).

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A proibição se aplica também aos familiares dos envolvidos. Esta é a segunda sanção concreta aplicada pelos EUA em função do crime. No fim do ano passado, o governo americano anunciou a aplicação de sanções financeiras em 17 sauditas suspeitos de participação no crime. 


Khashoggi foi assassinado no dia 2 de outubro dentro do consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia. Crítico do governo do seu país e temendo por represálias, desde 2017, ele vivia nos Estados Unidos onde trabalhava como articulista para o jornal The Washington Post.  


Um grupo de funcionários do governo saudita foi acusado e está sendo julgado pela Justiça da Arábia Saudita pelo crime. As investigações do assassinato, contudo, não estão satisfazendo a comunidade internacional. 


Até hoje, o corpo de Khashoggi não foi localizado. O Senado dos Estados Unidos também concluiu que o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman está envolvido no assassinato, o que a Casa Real nega. Já o governo turco pediu a extradição dos responsáveis para serem julgados no país em que cometeram o crime, o que foi recusado pelas autoridades sauditas. 


Leia também:
R7 lança multiplataforma para conteúdo de marca
Livro resgata história dos jornalistas brasileiros que cobriram a II Guerra