Jornalista da Globo é ameaçado de morte após matéria sobre homem morto pelo Exército

Redação Portal IMPRENSA | 08/04/2019 10:08

O jornalista Carlos de Lannoy, da Rede Globo, teve sua vida ameaçada após a apresentação de uma matéria sobre a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa por tiros disparados pelo Exército neste domingo (7). O carro em que o homem estava foi atingido por pelo menos 80 tiros de fuzis.

Crédito: Reprodução

De Lannoy recebeu a ameaça em sua conta no Instagram. No texto, o homem ameaça não apenas o jornalista, mas toda sua família. "Se você escolher falar merda e defender bandido é escolha sua. Seu merda! Se for errado paga com a vida! Mexeu com o exército, assinou sua sentença! Sua família vai pagar! Aguarde as cartas", dizia o texto. 


O jornalista respondeu à postagem escrevendo: "Você vai responder por essa ameaça. O que você fez não é apenas uma afirmação vergonhosa, infeliz e lamentável, mas um crime previsto em lei. Aguarde". De Lannoy divulgou a situação também em sua conta no Twitter. 

Crédito: Reprodução

A reportagem foi exibida na noite de domingo, no programa Fantástico. O crime havia acontecido durante o dia na mesma data. Evaldo, de 51 anos, trabalhava como músico e segurança. Ele foi atingido quando estava no carro com sua esposa, o filho de 7 anos, o sogro e uma amiga da família, na Zona Oeste do Rio. 


O grupo ia para um chá de bebê. O sogro da vítima levou um tiro nos glúteos, os demais passageiros não sofreram ferimentos. Um pedestre que passava pelo local também foi atingido.


Inicialmente, o Exército divulgou nota afirmando que a ocorrência aconteceu após um assalto e que "os dois criminosos, que estavam a bordo de um veículo, atiraram contra os militares, que por sua vez responderam à injusta agressão". Mais tarde, outra nota informava que o caso estava sendo investigado pela Polícia Judiciária Militar com supervisão do Ministério Público Militar.


O delegado Leonardo Salgado, da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, disse que "tudo indica" que os militares confundiram o carro de Evaldo com outro usado por assaltantes. 


Leia também:

Após chamar de "fake news", Bolsonaro admite possibilidade de demitir ministro
Associação faz pesquisa sobre como jornalistas utilizam a Lei de Acesso a Informações