Imprensa internacional repercute massacre em escola de Suzano

Redação Portal IMPRENSA | 13/03/2019 13:42

O ataque praticado nesta quarta-feira (13) por dois adolescentes na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), ganhou destaque no noticiário da imprensa internacional. O crime deixou, até o momento de postagem desta nota, dez mortos - oito vítimas e os atiradores. 

Crédito: Reprodução



Na França, Le Figaro registrou o número de vítimas do crime. O Le Monde e a agência France Presse também falaram o ocorrido na cidade paulista, destacando a aflição dos pais dos alunos. 


O britânico The Guardian informou que entre as vítimas estavam seis adolescentes que estavam na escola e dois adultos. A publicação ressaltou que tiroteios em escolas são raros no Brasil, apesar de o país ser um dos mais violentos do mundo. O jornal registrou ainda a mudança de lei aprovada no governo do presidente Jair Bolsonaro que tornará mais fácil a posse de armas no país. A matéria do portal da BBC também citou que esse tipo de violência não é comum nas escolas brasileiras e lembrou a mudança na legislação de acesso às armas. 


A rede de televisão americana CBS foi outra a incluir o decreto presidencial ao noticiar o caso. O jornal The New York Times relembrou o tiroteio ocorrido em uma escola de Realengo, no Rio de Janeiro, em 2011, quando 12 jovens foram mortos. A publicação também registrou a consternação da população e de autoridades com o ocorrido na cidade paulista.


O site da Deutsche Welle informou que os motivos do crime ainda não foram esclarecidos. A matéria da publicação alemã informava que o último caso desse tipo ocorrido no Brasil tinha sido em outubro de 2017, quando um aluno de 14 anos matou dois colegas a tiros e deixou quatro feridos. 


"Dois jovens provocam uma matança em um colégio de São Paulo" informou o El País, da Espanha. O Clarín, da Argentina, destacou a comoção provocada no país pelo crime. 


Leia também:
Radialista é detido na Venezuela e acusado de provocar apagão
Site francês desmente declaração atribuída a jornalista criticada por Bolsonaro