"O público influi decisivamente na elaboração do jornal", diz Heródoto sobre interação com audiência no JR News

Marta Teixeira | 05/03/2019 11:00

Há quase oito anos, o jornalista Heródoto Barbeiro comanda o Jornal da Record News. Criado em 2011 como o primeiro telejornal transmídia do país, o JR News acabou se tornando um dos melhores exemplos jornalísticos de integração com a audiência utilizando as redes sociais e hoje é o telejornal mais multiplataforma e conectado da TV brasileira. 

Crédito: Antonio Chahestian/Divulgação Record TV

Fiel ao DNA da inovação, o JR News também passou a incluir a transmissão de lives no conteúdo ao qual seu público tem acesso. A transmissão não se limita a pequenos momentos do telejornal ou curiosidades de bastidores e inclui a reunião de pauta.
  

Editor-chefe e âncora da atração, Heródoto destaca a importância dessa proximidade com a audiência no jornalismo atual. "Estamos na quarta fase da revolução industrial. O advento das redes sociais e sua utilização na comunicação fazem parte dela. É um avanço significativo uma vez que enfraquece monopólios e oligopólios de comunicação e dá ao público um poder que nunca teve antes. Graças a elas não é possível mais segurar notícia", diz o apresentador ao Portal IMPRENSA, no qual também é colunista.


Disponíveis em diversas plataformas, as lives podem ser assistidas no Facebook, Periscope (plataforma de streaming do Twitter) e Instagram. As mesmas plataformas transmitem mais três lives nos intervalos do telejornal, além de um bloco especial, às 22h, com Heródoto comentando os fatos principais do dia.   


Desde sua estreia, o JR News surpreendeu ao ser transmitido também pela internet, pelo portal R7.com, e com o editor-chefe e âncora interagindo com os telespectadores nos intervalos, pelas redes sociais. Nesses períodos, Heródoto lê as mensagens recebidas no WhatsApp, Twitter e YouTube.


A interatividade torna todo o processo ainda mais dinâmico, destaca o apresentador. "É muito mais desafiador uma vez que o público, não importa em que plataforma, influi decisivamente na elaboração do jornal e tem três lives para comentar um assunto do dia, e quanto termina  o jornal, às 22h, é convidado a comentar qualquer coisa que foi apresentada. Das entrevistas, ao vivo, via Skype, às notas redigidas pela equipe na redação", completa Heródoto. 


Leia também:
Instituto oferece curso online gratuito sobre fotografia documental
Polícia Federal fecha seis rádios piratas em São Paulo