Bolsonaro promove café da manhã para se aproximar da imprensa

Redação Portal IMPRENSA | 28/02/2019 17:18

Com um mandato marcado até agora por relações tensas com a imprensa nacional, o presidente Jair Bolsonaro fez um movimento de aproximação com o setor. Na manhã desta quinta-feira (28), ele recebeu 11 jornalistas de diversos veículos para um café da manhã. Os jornais O Globo e Folha de S. Paulo afirmaram não terem sido convidados para o encontro. 

Crédito: Marcos Corrêa/PR

O encontro durou cerca de uma hora. Além do presidente, participaram do café da manhã o vice Hamilton Mourão e alguns ministros. Na lista de convidados de imprensa divulgada pelo Palácio do Planalto constam Alexandre Garcia, Heraldo Pereira (TV Globo), João Beltrão (TV Record), Mauro Tagliaferri (Rede TV), Sérgio Amaral (TV Band), Cláudio Humberto (TV Band), Denis Rosenfield (O Estado de S. Paulo), Luis Kawaguti (UOL), Ana Dubeux (Correio Braziliense), Sônia Blota (Band) e Monica Gugliano (Valor Econômico).


Segundo profissionais que estiveram presente, Bolsonaro ressaltou a importância do papel da imprensa na sociedade. Em seu relato para a GloboNews, Heraldo Pereira afirmou que o presidente lembrou ter usado mais as redes sociais durante a campanha, mas disse que agora preferia o contato com a imprensa profissional "diante da importância do trabalho dos jornalistas e também da importância do momento em que o país vive diante da expectativa de votação da reforma da Previdência". O presidente espera contar com a imprensa para divulgar informações e esclarecimentos sobre a reforma. 


De acordo com o site UOL, Bolsonaro lamentou o vazamento de áudios de suas conversas com o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno, afirmou que nenhum filho seu manda no governo e disse que a partir de agora, qualquer declaração pública do filho Carlos relacionada ao governo será filtrada por ele.  "Tudo passou a ter um filtro da minha parte", garantiu. 


Bolsonaro falou sobre diversos assuntos. Ele disse ter chamado o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, e o mandado se desculpar e desfazer a determinação de pedir às escolas que gravassem vídeos dos alunos cantando o Hino Nacional e repetindo o slogan da campanha presidencial. 


A transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém foi outro tema abordado. Bolsonaro declarou que o assunto ainda não está definido. 


O café da manhã sinaliza uma alteração na forma de o presidente tratar a imprensa, contra a qual ele já deu diversas declarações negativas desde o período eleitoral. Em sua rede social, várias vezes acusou a imprensa de divulgar notícias falsas (fake news). 


No início do mandato, Bolsonaro também ameaçou não destinar verbas de publicidade pública para a Folha. Mais recentemente, no áudio de suas conversas com Bebianno, antes da demissão desse do cargo, o presidente se referiu à TV Globo como inimiga do governo.

 

Leia também:

Cade aprova fusão da Fox/Disney, mas impõe venda de canal esportivo e outras restrições
Presidente revoga decreto que alterava regras da LAI