SIP denuncia ataques e intimidações a jornalistas na fronteira da Venezuela

Redação Portal IMPRENSA | 25/02/2019 18:54

A Sociedade Interamericana de Imprensa (da sigla em espanhol SIP) denunciou, nesta segunda-feira (25), a ocorrência de agressões e restrições contra jornalistas na fronteira da Venezuela. Os ataques foram registrados no limite com a Colômbia.

Crédito: Reprodução/SIP

Maria, Elvira Domínguez, presidente da entidade pediu "respeito e garantias para o trabalho dos jornalistas" na Venezuela. Segundo ela, a SIP tem recebido "denúncias de diferentes riscos aos quais os jornalistas nacionais e estrangeiros estão expostos, assim como em relação à censura praticada pelo regime e seus instrumentos de repressão para evitar que os venezuelanos se informem". 


Entre os casos registrados, informa a SIP, estão tentativas de intimidação, ataques, roubo, destruição de equipamentos e material de trabalho, além de ameaças de sequestro e homicídio. Pelo menos 50 jornalistas venezuelanos ficaram retidos na Colômbia depois que o governo do presidente Nicolás Maduro anunciou o fechamento da fronteira entre os dois países, informou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa na Venezuela (SNTP). 


Várias emissoras tiveram seus sinais interrompidos. Entre elas estão os canais 24 Horas e a Televisão Nacional, do Chile, a rádio Caracol, da Colômbia, a Antena 3, da Espanha, e o NatGeo, dos Estados Unidos. O jornal colombiano El Tiempo também teve sua página bloqueada na internet. 


Leia também: 
Dez argumentos para entender o ataque de Renan à jornalista Dora Kramer

Relatório da Abert registra aumento nas violações à liberdade de expressão no Brasil