Estudo comprova que relevância pessoal é o mais importante para leitor decidir qual notícia ler

Redação Portal IMPRENSA | 18/02/2019 13:36

A ilusão de que a quantidade de acessos que uma notícia tem reflete sua importância editorial levou mais um baque. Estudo recente realizado pelo Reuters Institute - Universidade de Oxford comprovou que cada vez mais a audiência busca notícias que tenham relevância para sua vida pessoal. 

Crédito: Pixabay

Conduzida por Kim Christian Schroder, do Google News Digital, a pesquisa denominada "O que os leitores de notícias realmente querem ler?" (What do news readers really want to read about?), utiliza um método qualitativo inovador que não se prende à análise de dados de acesso nem a outros recursos tradicionalmente utilizados nesse tipo de pesquisa. De acordo com os pesquisadores, informações como essas são insuficientes para entender como as pessoas navegam pelas notícias e o que é capaz de despertar seus interesses. 


Uma das descobertas mais significativas foi justamente que histórias que afetam a vida pessoal do leitor, os ajudem a se conectar com outras pessoas e expressem um interesse cívico substancial, mesmo que algumas evitem notícias políticas, atraem a audiência. A pesquisa identificou também quatro perfis específicos de interesse comum em notícias.


Os resultados obtidos reforçam um conceito que voltou a ganhar força nas redações dos veículos de comunicação de qualidade: jornalistas não devem se deixar guiar simplesmente pelas métricas, é importante seguir seus instintos e priorizar notícias com histórias de valor cívico. 


Acesse a íntegra do relatório


Leia também:
Estudo da USP revela que precariedade, paixão e inovação marcam perfil de novas organizações jornalísticas em São Paulo


"Nunca foi tão necessário fazer jornalismo independente. Nunca foram tão sofisticados os modelos para tentar dificultar ou impedir o trabalho da imprensa", diz presidente da ANJ

Unesco fará estudo para combater o assédio online a jornalistas do sexo feminino