Disputa familiar na Justiça complica situação do Grupo Bandeirantes

Redação Portal IMPRENSA | 06/02/2019 09:22

A situação do Grupo Bandeirantes está cada vez mais complicada. A disputa pelo poder entre o presidente João Carlos Saad e suas irmãs Márcia e Maria foi parar na Justiça. 

Crédito: Alan Santos/PR
Johnny Saad e o ex-presidente Michel Temer em 2018

De acordo com o site Na Telinha, na segunda-feira (4), a 2ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem do Tribunal de Justiça de São Paulo negou a interdição de Johnny, como o empresário é mais conhecido, do comando da rede. Foi a quinta vez que as irmãs tentaram e falharam em obter liminar para destituí-lo do cargo.


Desta vez, informa o site, Márcia e Maria pediram a reconsideração das decisões anteriores por causa da proximidade das reuniões do conselho. O juiz Eduardo Palma Pellegrinelli não apenas negou a solicitação como também criticou as autoras pela "inércia" na apresentação do pedido. A ação foi ajuizada em 11 de setembro de 2018 e o requerimento da arbitragem foi formulado em dezembro. 


O processo original continua correndo na Justiça. O site fez contato com a emissora, que não quis se pronunciar. 


Segundo o site Brazil Journal, a dívida atual do grupo é de aproximadamente R$ 1,2 bilhão. Os problemas incluem baixa audiência e complicações nas renovações com patrocinadores. 


Leia também:
Associação internacional lança podcast sobre liberdade de imprensa

Band estreia primeiro programa sobre faculdades na TV aberta