Coletivo lança pesquisa sobre assédio sexual a jornalistas no trabalho

Marta Teixeira | 30/01/2019 13:43

O Coletivo de Mulheres Jornalistas do Distrito Federal lançou uma pesquisa sobre assédio sexual no ambiente de trabalho. O levantamento é realizado através de documento online e, inicialmente, fica aberto à participação até o fim de fevereiro. 

Crédito: Reprodução

"A pesquisa é com foco no Distrito Federal, mas é aberta a jornalistas de todos os lugares. Na tabulação serão separados os dados específicos do DF a serem entregues ao sindicato para que a entidade possa atuar junto às jornalistas. Mas é um levantamento mais amplo até porque, infelizmente, o assédio não é localizado. Essa é uma informação que serve para todos os sindicatos e entidades trabalharem depois com o objetivo tanto de conscientizar quanto de combater", ressalta Renata Maffezoli, coordenadora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF e integrante do Coletivo.


Uma publicação foi o ponto de partida da iniciativa. "Desde o fim de 2017, começamos a ter uma demanda forte por causa da publicação de um colunista no Correio Braziliense na qual transparecia muito a questão do assédio sexual nas redações. Isso despertou a categoria para o assunto", diz Renata


Em novembro do ano passado, o Coletivo começou a mobilização: organizou debates virtuais e um presencial, na sede do Correio, que estabeleceu uma política específica sobre o assunto. 


O movimento também lançou a campanha "Assédio sexual não faz parte do trabalho. Denuncie!". Divulgada nas mídias sociais, seu objetivo, destaca a coordenadora, era sensibilizar a comunidade jornalística "sobre o que de fato é assédio, porque muitas vezes as pessoas assediam até sem perceber por ser tão naturalizado".


Foram criadas várias peças com situações tanto no ambiente de trabalho quanto por parte de entrevistados. "Atos que acabam sendo naturalizados ou silenciados até por necessidade de sobrevivência no mercado de trabalho", alerta a coordenadora. 


O levantamento é a segunda etapa da campanha. Com base nas respostas obtidas, o Coletivo definirá o que será feito na próxima fase. "Queremos buscar formas de eliminar, ainda é um patamar distante, mas o objetivo é esse: eliminar essa prática do nosso espaço de trabalho", completa Renata. 


O resultado do levantamento deve ser divulgado em março, quando é celebrado o Dia Internacional das Mulheres. 


Leia também:

STF suspende decisão que censurou reportagens sobre senador
Sede de rádio francesa é alvo de incêndio criminoso