El Nacional extingue versão impressa. Jornal venezuelano manterá edição online

Redação Portal IMPRENSA | 14/12/2018 14:09

O jornal El Nacional, uma das publicações mais importantes da Venezuela, anunciou que não terá mais versão impressa. A última edição desse tipo circulou nesta sexta-feira (14). O periódico continuará existindo apenas na plataforma digital. 

Crédito:Reprodução/Twitter

O motivo, explicou o jornal, é a dificuldade de acesso ao papel para impressão. O problema tem se arrastado por meses, tem ligação com a crise econômica e institucional que afeta o país e já decretou o fim de diversas publicações. Nos últimos anos, o jornal também tem sofrido com a repressão e tentativas de censura do governo do presidente Nicolás Maduro. 


Com 75 anos de existência, El Nacional é uma das poucas vozes de imprensa contrárias a Maduro que continua em atividade. De acordo com dados informados pela publicação, nos últimos seis anos, 66 veículos de imprensa deixaram de circular no país. Nos últimos cinco anos, 25 meios impressos fecharam as portas.  


Em sua última edição de papel, o periódico informou seus leitores sobre a situação em editorial intitulado: "Um descanso no caminho".


"'Um jornal não se constrói com dinheiro, nem com rotativas, nem com relações comerciais que garantam a afluência de publicidade, nem com proteção governamental. Um periódico se constrói com homens. Todas as vantagens e privilégios ficam reduzidos a cinzas se não está presenta um punhado de jornalistas com capacidade profissional, qualidade humana e amor ao seu ofício, que saibam interpretar os sentimentos populares, que se lancem com audácia em busca da notícia, que defendam o estilo e a estética do diário, que lutem com bravura para fazer do seu jornal o mais bem informado e o de visão mais elevada', assim dizia Miguel Otero Silva, e assim será", escreveu a publicação ao fazer o anúncio, referindo-se ao seu proprietário. 


Leia também:
Organizações jornalísticas de sete países se unem para monitorar liberdade de expressão

Crise e falta de papel provocam o fechamento de mais dois jornais na Venezuela