Mídias sociais ultrapassam jornais impressos como fonte de notícia entre os americanos

Redação Portal IMPRENSA | 12/12/2018 14:04

Os jornais impressos foram ultrapassados pelas mídias sociais como fonte de notícia entre os leitores americanos. A informação consta na pesquisa divulgada esta semana pelo Pew Research Center. Esta foi a primeira vez que o fenômeno foi constatado. 


De acordo com o levantamento, um em cada cinco americanos admitiu obter notícias via mídias sociais. Estatisticamente, isso equivale a 20% dos leitores contra 16% que indicaram os jornais impressos como fonte principal. 

Crédito:Reprodução

O processo de inversão vinha sendo percebido há algum tempo. Em 2016, os jornais estavam à frente por apenas dois pontos percentuais (20% contra 18%). No ano passado, o instituto de pesquisa havia considerado a diferença entre as duas fontes estatisticamente insignificantes.


Em contrapartida, a televisão segue como a fonte principal para 49% dos americanos, ocupando a primeira colocação na lista. Os sites de notícias aparecem na sequência, com 33%, seguidos pelo rádio (26%). 


A pesquisa também indica que os sistemas online juntos ficam muito próximos do desempenho da televisão. Juntando mídias sociais e sites noticiosos a porcentagem passa a ser de 43%. 


O público mais velho (acima de 65 anos) é o que tem maior predileção pela tevê (81%). Entre os mais jovens, de 18 a 29 anos, essa taxa cai para 16%. Os números são significativamente opostos entre os grupos na predileção pelo acesso online às notícias. 


As redes sociais são a fonte principal entre os mais jovens (36%), seguida pelos sites de notícias (27%), pelo rádio (13%) e pelos jornais (2%). Entre os mais velhos, a televisão é seguida pelos jornais (39%) na preferência. Na sequência vêm o rádio (30%), os sites noticiosos (28%) e, finalmente, as mídias sociais (8%). 


A pesquisa mais foi realizada entre os dias 30 de julho e 12 de agosto deste ano. Acesse aqui a informação. 


Leia também:

51,2% da população mundial estará conectada à internet até o fim deste ano, informa agência da ONU
Americanos preferem se informar assistindo ao noticiário pela televisão