Dono de jornal tem prisão convertida em medida cautelar pela Justiça

Redação Portal IMPRENSA | 29/11/2018 09:12

O diretor presidente do Grupo RAC (Rede Anhanguera de Comunicação), Sylvino de Godoy Neto, obteve habeas corpus da 16ª Câmara de Direito Criminal, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP). O pedido foi apresentado por seu advogado Ralph Tórtima Stettinger Filho e o benefício foi concedido na tarde de quarta-feira (28).

Crédito:Divulgação/Prefeitura de Campinas

Godoy Neto teve a prisão preventiva decretada no último dia 23 como parte das ações da operação Ouro Verde. Com a decisão, a ordem de prisão será revertida em medidas cautelares. Assim, o empresário terá de ficar em casa, sendo proibido de deixar a cidade de Campinas. Ele também deverá entregar seu passaporte à Justiça e comparecer mensalmente em juízo para informar suas atividades. 


A prisão preventiva havia sido concedida pela 4ª vara Criminal de Campinas. Godoy Neto é acusado de participação em um esquema que desviou cerca de R$ 7 milhões da saúde pública de Campinas.


Godoy Neto está internado com problemas cardíacos no Hospital da PUC-Campinas para onde foi levado no dia do anúncio de sua prisão. Não há previsão para receber alta. Ele está licenciado da presidência do Grupo RAC, responsável pelo jornal Correio Popular entre outras publicações. 


Leia também:

Dono de jornal é preso em investigação de esquema de fraude na Saúde

Trump sugere que EUA criem canal internacional próprio para rivalizar com a CNN